População de Botos-cinza na Baía de Guanabara continua diminuindo
ICMBIO/DIVULGAÇÃO
População de Botos-cinza na Baía de Guanabara continua diminuindo


Quem olha para a Baía de Guanabara pode não imaginar a vida marinha que nela resiste, apesar de toda poluição. Os botos-cinza , há décadas ameaçados de extinção, são prova dessa sobrevivência. Mas a população atual dos cetáceos - que chegou a 400 na década de 1980 - é a menor registrada de todos os tempos: são 29, apenas quatro filhotes. Só nos últimos cinco anos, 16 morreram; sete eram recém-nascidos.

"Os animais até se reproduzem, mas muitos filhotes não vingam", alerta o coordenador do Projeto Maqua e professor da Uerj, José Lailson Brito Junior.

Para o pesquisador, que acompanha a vida dos botos na Guanabara desde a década de 1990, poluentes de três tipos são os que mais influenciam na taxa de mortalidade da espécie. Os conjuntos de pesticidas, o bifenilo policlorado (óleo encontrado em capacitadores e transformadores de energia), e o hidrocarboneto policíclico aromático (presente em combustíveis, petróleo bruto e carvão) que atingem o ambiente marinho através de vazamentos são os mais críticos para a biota.

Leia também: Janeiro terminou com recorde de alertas de desmatamento na Amazônia

No caso dos bebês, a contaminação ocorre através da amamentação. Como o boto-cinza está no topo da cadeia alimentar, possui alta concentração de contaminantes.

"Todo filhote mamífero ainda não tem o sistema imune muito bem constituído e durante a amamentação, o filhote recebe uma dose muita alta desses poluentes em um curto espaço de tempo através do leite", explica Lailson, que também tem evidências de aborto.

Mesmo com ameaças, há esperança

A população de botos-cinza da Baía de Guanabara é considerada a mais ameaçada da costa brasileira. A preocupação aumenta ainda mais devido ao número de embarcações que fundeiam na região. Em dezembro, jornal O Globo mostrou que a Baía tem 15 áreas de fundeio e recebe por mês cerca de 250 navios de médio e grande portes. O problema é que, mesmo parados, os barcos mantêm os motores ligados e formam uma cortina de poluição sonora, com ruídos altíssimos debaixo d’água, prejudicando o sistema biossonar desses cetáceos.

Os botos-cinza estão abrigados mais ao fundo da baía, na região que é parte da Área de Proteção Ambiental (APA) de Guapimirim. Os pesquisadores já perceberam que, por causa do barulho, os animais tem evitado longos deslocamentos para buscar alimentos, e se movimentam mais entre Guapimirim e a ilha de Paquetá.

Leia também: Política de Segurança de Barragens pode incluir proteção aos animais

Analista ambiental do ICMBio, o chefe da Área de Proteção Ambiental (APA) de Guapimirim, Mauricio Muniz ressalta que o espaço é limitado.

"Antes os botos circulavam por toda a baía, agora eles têm ficado mais do lado de cá. No entanto, por serem animais do alto da cadeia, precisam de espaço e de um abundância para se alimentar", explica.

Sinais

No meio de tanta poluição , porém, alguns visitantes são o sinal de que é possível acreditar num cenário melhor. Integrantes do Projeto Maqua têm evidências de que há uma população costeira de boto-cinza se aproximando da Baía de Guanabara.

"Já recolhemos animais encalhados em Itaipu, Maricá e Barra da Tijuca, por exemplo. Isso dá uma esperança de que possa haver um incremento da população", observa, esperançoso, José Lailson.

Biólogo marinho e gerente do Aquario, Rafael Franco ressalta a importância biológica da espécie, símbolo do Rio de Janeiro.

"A partir do momento que ele é topo de cadeia, o boto não tem predador. A principal função dele é controlar as populações dos animais que ele come e manter o ecossistema controlado", alerta.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários