Tamanho do texto

O tiacloprido tem impacto negativo sobre os lençóis freáticos e está ligado à morte de abelhas, além de ter potencial para danificar a saúde do ser humano

Pesticida legal no Brasil foi proibido na União Europeia arrow-options
shutterstock
Pesticida legal no Brasil foi proibido na União Europeia


O tiacloprido , pesticida  derivado da nicotina e fabricado pela Bayern , foi proibido pela Comissão Europeia, conforme publicação feita pelo órgão no último domingo, em seu site oficial. Liberado pela Anvisa em território brasileiro, o produto já era avaliado negativamente na Europa há algum tempo, tanto que estava provisoriamente suspenso até o dia 30 de abril, data da expiração da sua licença.

A decisão publicada no domingo foi de não renovar a licença, o que acarreta na proibição. As preocupações a respeito do agroquímico vão desde a contaminação dos lençóis freáticos até a sua influência na morte de abelhas, além dos riscos potenciais aos seres humanos.

"Há preocupações ambientais relacionadas ao uso desse pesticida, principalmente quanto a seu impacto sobre os lençóis freáticos, mas também em relação à saúde humana”, afirmou Stella Kyriakides, comissária de Saúde, em comunicado oficial.

Leia também: Clima tornará Amazônia duas vezes mais inflamável neste século

Quanto às abelhas, classificadas como insetos benéficos, existe grande receio, uma vez que há evidências do desaparecimento de colônias após o uso tanto do tiacloprido como de outros neonicotinóides, termo usado para se referir aos inseticidas a base de nicotina. A proibição passa a valer no dia 30 de abril.

Liberado no Brasil

Enquanto isso, no Brasil, o uso do produto continua liberado e regularizado pela Agência Nacional de Vigilânica Sanitária (Anvisa). O tiacloprido é utilizado por produtores de  culturas como algodão, citros, soja, cana-de-açúcar, feijão e em algumas frutas e vegetais.