Tamanho do texto

Foto do astronauta Luca Parmitano, a bordo da Estação Espacial Internacional, retrata a atual situação da Floresta Amazônica

Planeta

Queimadas Amazônia arrow-options
Reprodução/Twitter
O astronauta Luca Parmitano fotografou a destruição causada pelas queimadas na Amazônia.

O drama das queimadas amazônicas também é acompanhado por pessoas com visão privilegiada da Terra: os tripulantes da Estação Espacial Internacional (ISS, na abreviatura em inglês). A foto acima foi batida pelo astronauta da Agência Espacial Europeia (ESA) Luca Parmitano em 24 de agosto, a 400 quilômetros acima da superfície terrestre. Ele tuitou as imagens, legendando-as: “A fumaça, visível por milhares de quilômetros, de dezenas de incêndios causados pelo homem na floresta amazônica ”.

Leia também: Trump declara apoio "total e irrestrito" e exalta "grande trabalho" de Bolsonaro

Enquanto os incêndios atingem a floresta tropical, ventos fortes carregam plumas de fumaça por milhares de quilômetros sobre a terra e o mar. Elas ajudaram a causar a escuridão na tarde de 19 de agosto em São Paulo, a cerca de 2.500 km de distância. Dados do Copernicus Atmosphere Monitoring System (CAMS) mostram que a fumaça chegou até a costa do Atlântico.

Os incêndios de fato são comuns durante a estação seca na região, que vai de julho a outubro. Mas este ano é diferente de qualquer outro. Os dados do satélite Copernicus Sentinel-3 ajudaram a detectar quase 4 mil incêndios somente em agosto de 2019. No ano passado, apenas 1.110 incêndios foram registrados no mesmo período. As chamas sem precedentes deste ano, quatro vezes o número normal, têm como origem provável o desmatamento legal e ilegal para fins agrícolas.

Leia também: Brasil rejeita ajuda financeira do G7 para Amazônia

    Acredita-se que o aumento das temperaturas globais também torne a região mais suscetível ao fogo.

    Os incêndios desencadearam uma crise internacional, pela perda que um patrimônio natural como esse representaria em termos de oxigênio a menos na atmosfera (ali se produz cerca de 20% do oxigênio da Terra) e de biodiversidade, por exemplo. Em seu tuíte, o astronauta escreveu: “Não há Planeta B”.