Dodge
Roque de Sá/Agência Senado - 12.8.19
Dodge vê indícios de "ação orquestrada" em incêndios na Amazônia

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge , disse nesta segunda-feira (26) que o Ministério Público em todo o Brasil vai investigar a realização de queimadas criminosas na região da Amazônia Legal. Segundo a procuradora, há indícios de que atuações criminosas combinadas provocaram diversos focos de incêndio na região.

Leia também: Ajuda do G7 à Amazônia é bem-vinda, diz ministro do Meio Ambiente

"Há suspeita de ação orquestrada, há suspeita de uma atuação que foi longamente cultivada para chegar a esse resultado. O que nós percebemos na conversa de hoje é que há sinais disso, há elementos que justificam abertura de inquérito para investigar e punir esses infratores", afirmou Dodge sobre os incêndios na Amazônia .

Segundo a procuradora, inquéritos serão abertos para investigar ações em terras federais, como unidades de conservação, e terras estaduais, apurações que ficarão a cargo dos MPs locais.

Leia também: Ao invés de queimadas, Governo tem outros métodos de desmatamento

A estratégia de combate aos incêndios criminosos na Amazônia foi definida nesta tarde em reunião extraordinária da Força-Tarefa Amazônia , que atua desde o ano passado no combate aos crimes de grilagem, desmatamento e mineração ilegal.

Mais cedo, a procuradora  defendeu no Supremo Tribunal Federal que R$ 1,2 bilhão do valor pago pela Petrobras em um acordo com autoridades dos Estados Unidos no âmbito da Operação Lava Jato seja destinado para o combate ao fogo na Amazônia.

Na semana passada, quando os incêndios na Amazônia passaram a ser noticiados, a Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, por iniciativa do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez o mesmo pedido em manifestação enviada ao STF.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários