Tamanho do texto

Mecanismo dos "paredões" mira tanto ‘segurar’ as geleiras quanto evitar que águas mais quentes cheguem até a base das estruturas de gelo; leia mais

A nova pesquisa quer encontrar soluções para o derretimento das geleiras do mundo (foto meramente ilustrativa)
shutterstock
A nova pesquisa quer encontrar soluções para o derretimento das geleiras do mundo (foto meramente ilustrativa)

Uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira (20) apontou a criação de paredes e barreiras no fundo do mar como uma forma de reduzir o derretimento das geleiras. De acordo com informações do Guardian , o projeto pode evitar a elevação do nível do mar causada pelo aquecimento global.

Leia também: Bloco de gelo "mais antigo e espesso" do Ártico quebra durante onda de calor

Pesquisadores da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, explicaram que as barreiras de rocha e areia podem conter o deslizamento dos glaciares conforme se desintegram no fundo do mar, fazendo o planeta “ganhar tempo” na corrida contra as mudanças climáticas, que tem como uma de suas consequências o derretimento das geleiras .

“Imaginamos estruturas muito simples, apenas pilhas de cascalho ou areia no fundo do mar”, explicou Michael Wolovick, do departamento de geociências da universidade, que é um dos responsáveis pela pesquisa publicada na revista científica Cryosphere , da União Geofísica Europeia.

Seu mecanismo teria como objetivo tanto ‘segurar’ as geleiras quanto evitar que águas mais quentes cheguem até a base das estruturas de gelo, tendo em vista que novos estudos apontaram o aumento da temperatura dos oceanos como uma das causas dos derretimentos.

Para chegar até essa possível solução, a equipe e Wolovick usou modelos computadorizados para checar os possíveis impactos das barreiras, imaginando que a primeira seria implantada no Glaciar Thwaites , na Antártida, que tem de 80 a 100 quilômetros.

Os cálculos revelaram que a estrutura teria 30% de chance de prevenir um colapso da porção ocidental do bloco de gelo, e, ao desenvolver designs mais complexos para regiões de difícil acesso, seria possível criar pequenas paredes com 70% de possibilidade de bloquear a chegada de águas quentes.

Leia também: Iceberg 4 vezes maior que São Paulo se desprende da Antártida e fica à deriva

O derretimento das geleiras e o aumento do nível do mar

Na pesquisa sobre o derretimento das geleiras, os pesquisadores usaram o Glaciar Thwaites como referência
Wikimedia Commons
Na pesquisa sobre o derretimento das geleiras, os pesquisadores usaram o Glaciar Thwaites como referência

Quando as geleiras começam a derreter nos polos, uma grande quantidade de água é injetada nos oceanos, fazendo o nível do mar subir rapidamente. O Glaciar Thwaites, por exemplo, tem as mesmas dimensões do Reino Unido e pode ser, futuramente, uma das maiores fontes do aumento dos níveis dos oceanos.

O projeto começará com a embarcação submarina de pesquisa chamada de "Boaty McBoatface", que será enviada para a Antártida com o objetivo de analisar o derretimento submarino e medir as possíveis perdas. Embarcações semelhantes poderiam também ser as responsáveis pela implantação das 'paredes de areia'.

Os autores da pesquisa esperam que a criação desse modelo experimental possa impulsionar projetos futuros de engenharia que, por mais que não reduzam as emissões de gases estufa, podem impactar positivamente o planeta. "Quanto mais carbono emitimos, menos provável se torna a sobrevivência dos blocos de gelo a longo prazo", explicou Wolovick.

Leia também: Copacabana e Barra da Tijuca podem desaparecer devido ao aquecimento global

O próximo relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima deve avisar, mais uma vez, sobre o potencial de elevação do nível do mar, por causa do  derretimento das geleiras , de inundar áreas baixas caso o aquecimento não seja mantido em 1,5ºC acima dos níveis das épocas pré-industriais.