Milhares de estrelas do mar e outros animais morrem após onda de frio na Europa

A onda de frio chamada "Besta do Leste" foi a responsável pelas mortes dos animais, além de já ter vitimado ao menos 50 pessoas no continente europeu
Foto: Reprodução/Twitter John Scattergood
Animais marinhos invertebrados, como estrelas do mar e mexilhões, foram mortos por causa da chamada 'besta do leste'


Um grande número de estrelas do mar, lagostas, caranguejos e mexilhões foram encontrados mortos na costa do norte do Reino Unido. Segundo o The Guardian , as mortes foram causadas pela “Besta do Leste”, uma onda de frio que tem baixado bruscamente as temperaturas na Europa.

Leia também: Sapo "sem cabeça" é encontrado por estudante e intriga cientistas; assista

“Houve uma queda de 3ºC na temperatura do mar na última semana, o que fez com que os animais [como as estrelas do mar ] reduzissem seus níveis de atividade”, explicou Bex Lynam, da Yorkshire Wildlife Trust, que monitora a vida selvagem na região. “Isso faz com que eles fiquem vulneráveis no mar agitado: são levados pelas grande ondas até a costa, onde não sobrevivem às tempestades e baixas temperaturas”.

As autoridades já encontraram as criaturas – na sua maioria invertebrados, por mais que alguns peixes tenham sido mortos também – ao longo da costa Holderness, em Yorkshire, além de casos semelhantes em Kent e Norfolk. Para Lynam, a baixa mortalidade entre animais maiores, como golfinhos, pode ser explicada pela sua maior mobilidade: “eles podem se salvar nadando para longe quando este tipo de fenômeno acontece”, disse.


Os únicos organismos ainda encontrados vivos foram as lagostas, resgatadas pelas equipes da Yorkshire Wildlife Trust e levadas para tanques de água em Bridlington. A ideia da organização é soltá-las na natureza assim que as temperaturas aumentarem, garantindo a sobrevivência dos crustáceos.

“Essa área é muito importante para a pesca de frutos do mar e, por isso, estamos trabalhando junto de pescadores para promover uma caça sustentável e proteger a reprodução das espécies. Vale a pena resgatá-los [as lagostas] para que, depois, elas voltam ao mar e continuem a se reproduzir”, Lynam pontuou.

Leia também: Braço e perna humanos são achados dentro de crocodilo de 6 metros de comprimento

"Besta do Leste"

O fenômeno responsável pelas mortes também já vitimou pelo menos 50 pessoas na Europa desde que atingiu o continente, em meados de fevereiro. De acordo com o  Independent , as bruscas quedas nas temperaturas e a presença de neve contribuíram para as mortes, que chegaram ao número de 21 somente na Polônia.

Os mais atingidos são as pessoas em situação de rua, porque, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o frio extremo aumenta o risco de doenças e também piora alguns casos de condições crônicas, físicas ou limitações mentais. Sendo assim, "pessoas em situação de rua, refugiados e imigrantes estão especialmente vulneráveis . Seu risco aumenta quando não há abrigo apropriado, roupas preparadas para as temperaturas, comida e atendimento médico".

Leia também: Cobra píton é flagrada devorando cervo maior que seu tamanho na Flórida; veja

"Serviços sociais e de saúde são os responsáveis por tomar conta do número crescente de pacientes com condições relacionadas ao frio. Problemas nos serviços e na infraestrutura podem também, de forma indireça, agravar os efeitos na saúde", explicou a organização.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/meioambiente/2018-03-06/estrelas-do-mar-mortas.html