Planeta

Alossaurus Jimmadseni, novo dinossauro descoberto, ataca presa
Todd Marshall
Alossaurus Jimmadseni, novo dinossauro descoberto, ataca presa


Uma nova espécie de dinossauro carnívoro foi apresentada no Museu de História Natural de Utah (EUA). Os paleontologist as descobriram o primeiro espécime no início dos anos 1990 no Dinosaur National Monument, no nordeste de Utah. Esse enorme animal habitou as planícies aluviais do oeste da América do Norte durante o Jurássico tardio, entre 157 e 152 milhões de anos atrás, o que o torna a espécie geologicamente mais antiga do alossauro, anterior ao fóssil mais conhecido de Utah, o Allosaurus fragilis . O recém-nomeado dinossauro Allosaurus jimmadseni foi anunciado na revista “ PeerJ ”.

O Allosaurus jimmadseni viveu nas planícies aluviais semi-áridas da Formação Morrison, interior do oeste da América do Norte. As rochas mais antigas da Formação Morrison preservam uma fauna de dinossauros distinta das icônicas faunas mais jovens dessa área, que incluem Allosaurus fragilis, diplodocos e estegossauros. Paleontologistas determinaram recentemente que espécimes dessa nova espécie de dinossauro viviam em vários lugares do interior ocidental da América do Norte (Utah, Colorado e Wyoming).

A espécie pertence aos alossauroides, grupo de dinossauros carnívoros de corpo pequeno a grande e de duas pernas que viveram durante os períodos Jurássico e Cretáceo. O Allosaurus jimmadseni possui várias características únicas, entre as quais um crânio curto e estreito com cristas faciais baixas que se estendem desde os chifres na frente dos olhos até o nariz. O crânio era mais fraco, com menos campo de visão sobreposto do que o do primo mais novo, Allosaurus fragilis .

Leia também: Panelas aquecíveis ajudaram caçadores da Sibéria a resistir à Era do Gelo

    Principal predador

    O Allosaurus jimmadseni evoluiu pelo menos 5 milhões de anos antes do fragilis e foi o predador mais comum e o principal em seu ecossistema. Tinha pernas e cauda relativamente extensas e braços longos, com três garras afiadas. O nome Allosaurus se traduz como “réptil diferente” e a segunda parte, jimmadseni , homenageia o paleontólogo James H. Madsen Jr., de Utah.

    Após uma descrição inicial de Othniel C. Marsh, em 1877, o Allosaurus rapidamente se tornou o terópode jurássico mais conhecido. A composição taxonômica do gênero tem sido um debate nos últimos 130 anos. Os paleontologistas argumentam que existiram entre uma e 12 espécies de Allosaurus na Formação Morrison da América do Norte. Esse estudo reconhece apenas duas espécies – A. fragilis e A. jimmadseni .

    “Anteriormente, os paleontologistas pensavam que havia apenas uma espécie de alossauro na América do Norte jurássica, mas este estudo mostra que havia duas espécies – o recém-descrito Allosaurus jimmadseni evoluiu pelo menos 5 milhões de anos antes do primo mais novo, Allosaurus fragilis ”, afirmou o principal autor do estudo, Mark Loewen, pesquisador associado do Museu de História Natural de Utah e professor associado da Universidade de Utah, que liderou o estudo. “O crânio do Allosaurus jimmadseni é mais levemente construído do que o seu parente Allosaurus fragilis , sugerindo um comportamento alimentar diferente entre os dois”, disse.

    Leia também: Crânios encontrados no México revolucionam história das Américas

    Segredos nas rochas

    “O reconhecimento de uma nova espécie de dinossauro em rochas que foram intensamente investigadas por mais de 150 anos é uma excelente experiência de descoberta. O Allosaurus jimmadseni é um ótimo exemplo de quanto mais precisamos aprender sobre o mundo dos dinossauros. Muitos fósseis mais emocionantes aguardam a descoberta nas rochas jurássicas do oeste americano”, afirmou Daniel Chure, paleontologista aposentado do Dinosaur National Monument e coautor principal do estudo.

    George Engelmann, da Universidade de Nebraska, Omaha (EUA), descobriu inicialmente o esqueleto inicial da nova espécie no Monumento Nacional do Dinossauro em 1990. Em 1996, vários anos após a coleta do esqueleto sem cabeça, o crânio radiativo pertencente ao esqueleto foi recuperado com a ajuda de um detector de radiação por Ramal Jones, da Universidade de Utah. O esqueleto e o crânio foram escavados por equipes do Dinosaur National Monument.

    “Big Al”, outro espécime pertencente à nova espécie, descoberto em Wyoming (EUA) em 1991, está alojado nas coleções do Museu das Montanhas Rochosas, em Bozeman, Montana. Anteriormente considerado como pertencente ao Allosaurus fragilis , “Big Al” foi apresentado no vídeo de 2001 Walking with Dinosaurs: Ballad of Big Al , da BBC. Nos últimos 30 anos, equipes de vários museus coletaram e prepararam materiais dessa nova espécie.

      Veja Também

        Mostrar mais