Planeta

Asteroide arrow-options
Universidade Curtin
Zircão encontrado em Yarrabubba: recristalizado pelo choque do asteroide

Cientistas da Universidade Curtin, de Perth (Austrália), e do Imperial College London (Reino Unido) descobriram o mais antigo choque de asteroide contra a Terra. Ele ocorreu em Yarrabubba, no interior da Austrália Ocidental, e coincidiu com o fim de um congelamento global conhecido como “Terra bola de neve”. A pesquisa, publicada na revista “ Nature Communications ”, usou análise isotópica de minerais para calcular a idade exata da cratera de Yarrabubba pela primeira vez, colocando-a em 2,229 bilhões de anos – ou seja, 200 milhões de anos mais antiga que a cratera vice-líder.

Leia também: Caso Flordelis: celular do pastor 'apareceu' na casa de senador horas após crime

O autor principal, Timmons Erickson, da Escola de Ciências da Terra e Planetárias da Universidade Curtin e do Johnson Space Center da Nasa, e sua equipe analisaram os minerais zircão e monazita que foram “recristalizados por choque” pela colisão do asteroide na base da cratera erodida para determinar a idade exata de Yarrabubba.

    A equipe inferiu que o impacto pode ter ocorrido em uma paisagem coberta de gelo, vaporizou um grande volume de gelo na atmosfera e produziu uma cratera de 70 km de diâmetro nas rochas abaixo.

    Coincidência exata

    Chris Kirkland, um dos coautores do estudo, da Universidade Curtin, disse que o momento propicia a possibilidade de que o mais antigo impacto de asteroide da Terra possa ter ajudado a tirar o planeta de um congelamento profundo.

    “Yarrabubba, que fica entre Sandstone e Meekatharra, no centro da Austrália Ocidental, foi reconhecida como uma estrutura de impacto por muitos anos, mas sua idade não havia sido bem determinada”, disse Kirkland. “Agora sabemos que a cratera de Yarrabubba foi feita no final do que é comumente referido como a Terra bola de neve – um tempo em que a atmosfera e os oceanos estavam evoluindo e ficando mais oxigenados e quando as rochas depositadas em muitos continentes registravam condições glaciais.”

    O coautor Nicholas Timms, da Universidade Curtin, observou a exata coincidência entre o impacto de Yarrabubba e o desaparecimento dos depósitos glaciais. “A era do impacto de Yarrabubba coincide com o fim de uma série de glaciações antigas. Após o impacto, os depósitos glaciais estão ausentes no registro da rocha por 400 milhões de anos. Essa reviravolta do destino sugere que o grande impacto dos meteoritos pode ter influenciado o clima global”, afirmou ele.

    Descobertas futuras

    “A modelagem numérica apóia ainda mais a conexão entre os efeitos de grandes impactos no gelo e as mudanças climáticas globais. Os cálculos indicaram que um impacto em um continente coberto de gelo poderia ter enviado meio trilhão de toneladas de vapor d’água – um importante gás de efeito estufa – para a atmosfera. Essa descoberta levanta a questão de saber se esse impacto pode ter derrubado a balança o suficiente para acabar com as condições glaciais”.

    Leia também: Responsável por matar produtor no trânsito segue solto 3 meses após o crime

    Segundo o coautor Aaron Cavosie, também de Curtin, o estudo de Yarrabubba pode ter implicações potencialmente significativas para futuras descobertas de crateras de impacto. “Nossas descobertas destacam que a aquisição de idades precisas de crateras conhecidas é importante – esta ficou à vista por quase duas décadas antes que seu significado fosse percebido”, disse ele. “Yarrabubba tem cerca de metade da idade da Terra e levanta a questão de saber se todas as crateras de impacto mais antigas foram corroídas ou se ainda estão lá fora, à espera de serem descobertas.”

      Veja Também

        Mostrar mais