Tamanho do texto

He Jiankui foi condenado a três anos de prisão na China depois de modificar o DNA de bebês

cientista arrow-options
Reprodução/MIT
Cientista criou bebês resistentes ao HIV


O cientista chinês He Jiankui , responsável por trazer ao mundo os primeiros bebês geneticamente modificados no ano passado, foi condenado a três anos de prisão nesta segunda-feira (30), de acordo com a agência de notícias oficial do governo da China

O tribunal de Shenzhen, cidade onde fica o laboratório do pesquisador, o condenou por prática ilegal da medicina . Além da prisão, He Jiankui terá que pagar uma multa de 3 milhões de yuanes, o equivalente a R$1,7 milhão. Além dele, outros dois cientistas envolvidos no caso foram condenados com multas e sentenças menores. Zhang Renli ficará preso por dois anos, enquanto Qin Jinzhou ficará 18 meses. 

Bebês geneticamente modificados

Em novembro de 2018, He Jiankui anunciou o nascimento de dois bebês geneticamente modificados . As gêmeas tiveram seus DNAs alterados pelo cientista para que fossem resistentes ao HIV , vírus que levou o pai dela à morte por Aids

Leia também: Cientista cria bebês resistentes ao HIV e gera dúvidas no meio científico

Na ocasião, a comunidade científica mundial entrou em discussão a respeito da ética  na manipulação de genes. Depois das polêmicas, o governo chinês, acusado de falta de fiscalização, ordenou a suspensão dos experimentos e iniciou a investigação contra He Jiankui. A China também está revendo sua legislação a respeito de experimentos em humanos. 

Em janeiro deste ano, as autoridades chinesas ainda confirmaram que outra mulher estava grávida de um bebê geneticamente modificado pelo pesquisador, o que resultaria em três crianças envolvidas no caso. O nascimento do terceiro bebê, porém, não foi confirmado. 

Condenação

Além de prática ilegal da medicina , os três pesquisadores forem condenados por violarem os regulamentos chineses sobre pesquisas científicas e usarem disto para obter fama e lucro. Além da acusação principal, eles ainda são acusados de forjarem documentos éticos.