Planeta

Exoplaneta
Divulgação/ESA
Concepção artística do planeta orbitando a estrela HD 203949: existência "improvável"

Apoiada na astrossismologia [ramo da astronomia que estuda a estrutura interna de estrelas pulsantes pela interpretação de seus espectros de frequências], uma equipe internacional de pesquisadores revisou os parâmetros para duas gigantes vermelhas que hospedam exoplanetas e, para uma delas, descobriu que o planeta não deveria existir em sua localização atual com base nas teorias de hoje. O resultado foi publicado em artigo na revista “ The Astrophysical Journal ”.

Leia também: Frota diz que Bolsonaro afirmou que quer "continuar transando" com ele; assista

Usando dados do Transess Exoplanet Survey Satellite (TESS), da Nasa, os cientistas, liderados pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, de Portugal, estudaram as estrelas gigantes vermelhas HD 212771 e HD 203949. Estas são as primeiras detecções feitas pelo TESS de oscilações em estrelas que já se sabia que hospedam exoplanetas .

“As observações do TESS são suficientemente precisas para permitir medir as pulsações suaves na superfície das estrelas ”, afirmou o principal autor do estudo, Tiago Campante, da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP). “Essas duas estrelas bastante evoluídas também hospedam planetas, fornecendo o local ideal para estudos da evolução dos sistemas planetários.”

    Tendo determinado as propriedades físicas de ambas as estrelas, como massa, tamanho e idade, por meio da astrossismologia, os autores concentraram sua atenção no estado evolutivo da HD 203949. Seu objetivo era entender como seu planeta poderia evitar ser engolido, desde que o halo da estrela teria se expandido muito além da órbita planetária atual durante a fase de evolução da gigante vermelha.

    Aproximação

    Com base em extensas simulações numéricas realizadas por Dimitri Veras, da Universidade de Warwick (Reino Unido), a equipe pensa que as marés estrela-planeta podem ter trazido o planeta para dentro de sua órbita original e mais ampla, colocando-o onde o vemos hoje.

    “Determinamos como este planeta poderia ter atingido sua localização atual e se o planeta teve ou não de sobreviver ao envolvimento dentro do halo estelar da gigante vermelha. O trabalho lança uma nova luz sobre a capacidade de sobrevivência dos planetas quando suas estrelas-mãe começam a morrer e pode até revelar novos aspectos da física das marés.”

    Leia também: Navio grego pode ter causado manchas de óleo no Nordeste; PF cumpre mandados

    O coautor Vardan Adibekyan, da Universidade do Porto, comentou: “Este estudo é uma demonstração perfeita de como a astrofísica estelar e exoplanetária está ligada. A análise estelar parece sugerir que a estrela está evoluída demais para ainda hospedar um planeta a uma distância orbital tão ‘curta’, enquanto, a partir da análise do exoplaneta , sabemos que o planeta está lá!”

    Adibekyan acrescentou: “A solução para esse dilema científico está oculta no ‘fato simples’ de que as estrelas e seus planetas não apenas se formam, mas também evoluem juntos. Nesse caso em particular, o planeta conseguiu evitar o envolvimento.”

      Veja Também

      Mais Recentes

        Mostrar mais

        Comentários