Cientista do ESO registraram a formação de um novo planeta no espaço com ajuda de telescópio potente
Reprodução/Observatório Europeu do Sul (ESO)
Cientista do ESO registraram a formação de um novo planeta no espaço com ajuda de telescópio potente

Cientistas registraram pela primeira vez o nascimento de um corpo celeste durante investigações sobre as profundezas do universo. De acordo com informações do Daily Mail , o novo planeta está a 370 anos-luz da Terra e foi capturado com o telescópio mais potente já desenvolvido, o Very Large Telescope , do Observatório Europeu do Sul (ESO), que se encontra no deserto de Atacama, no Chile.

Leia também: Lua de Saturno possui elementos para o desenvolvimento da vida, diz novo estudo

Os pesquisadores afirmaram que a descoberta da formação do novo planeta foi possível graças ao Sphere , um instrumento do telescópio que permite medir o brilho dos corpos celestes no espaço. Segundo a equipe, um comando de alerta foi detectado, fazendo com que identificasse o 'parto' juntamente a diferentes ondas de luz que revelaram as propriedades da atmosfera do 'novo mundo'.

Registro do novo planeta representa avanço para astrônomos

Integrante do projeto, o Instituto de Astronomia Max Plank apontou que o registro representa um avanço significativo em relação às explorações espaciais, já que fornece um panorama mais completo sobre como os planetas se formam .

O grupo expôs que o planeta chamado de PDS 70b foi capturado emergindo da sombra de uma jovem estrela, tornando a ação visível por se sobressair da nuvem de poeira que o cobria. Além disso, está cerca de três bilhões de quilômetros do Sol, com massa mais pesada que Júpiter e temperaturas extremas que excedem 1.000 ° C.

Você viu?

Leia também: Humanos são única fonte de vida inteligente no espaço, sugere estudo britânico

Na imagem, é possível identificar o contorno de poeira que deu espaço para análises da luz que cerca o planeta recém-formado . A região escura no centro do registro se fez presente devido a um filtro que bloqueia a luminosidade ofuscante da estrela e permite que os astrônomos detectem o corpo celeste, que, neste caso, é o brilhante globo de luz à direita do disco negro.

Os cientistas destacaram ainda que o coronógrafo, aparelho para estudo e fotografia da coroa solar e suas protuberâncias, foi essencial para a descoberta, uma vez que sem ele não teria como distinguir a luz do planeta com o brilho de sua estrela hospedeira. "Os discos em volta de estrelas jovens são os locais de nascimento dos planetas, que até então, não haviam sido registrados tão nitidamente”, explicou a cientista e líder do grupo de pesquisa, Miriam Keppler.

O diretor do Instituto Max Planck, Thomas Henning, afirmou que, anteriormente, imagens desse tipo eram realizadas pelo telescópio Kepler da Agência Espacial Norte-Americana (Nasa), mas não com uma definição tão avançada como a do atual aparelho.

Leia também: Fotógrafo flagra misterioso raio verde ao fotografar alinhamento da Lua e Vênus

"Depois de mais de uma década de esforços para construir um telescópio de alta tecnologia, finalmente conseguimos registrar o nascimento de um novo planeta . Pela primeira vez, temos imagens diretas do planeta e do seu local de nascimento. Consideramos o registro extremamente importante para embasar análises sobre a formação dos planetas e de qual a melhor forma de observá-la”, concluiu Kepler.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários