Tamanho do texto

Estudo da Universidade de Cardiff revelou que luz identificada em emissão de micro-ondas perto de estrelas novas é proveniente de nanodiamantes

Cientistas britânicos revelaram que luz identificada em emissão de microondas são nuvens de diamantes na Via Láctea
Reprodução/S DAGNELLO/NRAO/AUI/NSF
Cientistas britânicos revelaram que luz identificada em emissão de microondas são nuvens de diamantes na Via Láctea

Cientistas britânicos descobriram um fluxo de micro-ondas provenientes de sistemas estelares distantes na Via Láctea. Segundo o novo estudo elaborado por pesquisadores da Universidade de Cardiff, no Reino Unido, o brilho identificado, que até então era um mistério para os astrônomos, pode estar sendo causado por uma espécie de “nuvens de diamantes”.

Leia também: Nove dos 13 baobás mais antigos do mundo morrem e geram alerta sobre aquecimento

A pesquisa recente, que tem como intuito explicar o fluxo fraco de micro-ondas que cercam as estrelas distantes, revelou que a luz emitida é proveniente de cristais minúsculos de carbono, formando as “ nuvens de diamantes ”. Esses cristais conhecidos como nanodiamantes podem ser encontrados dentro de nuvens de poeira e gás que circundam estrelas recém-formadas.

Entenda como emissão de micro-ondas forma as “nuvens de diamantes”

O brilho causado pela emissão anômala em micro-ondas (AME) foi detectado pela primeira vez quando astrônomos realizaram medições da radiação no espaço na virada do século XXI. 

"Usando um método meio Sherlock Holmes e eliminando todas as outras causas, pode-se dizer que a condição capaz de produzir esse brilho das é a presença de nanodiamantes em torno dessas estrelas recém-formadas", assegurou a autora do estudo, Jane Greaves ao Daily Mail .

Leia também: Escultura de 3 mil anos intriga pesquisadores e pode ser retrato de rei bíblico

Greaves explicou que a luz vem da energia liberada pelas nanopartículas em rápida rotação, que são pedaços de matéria tão pequenos que desafiam a visualização em microscópios comuns.  O disco protoplanetário, que contém uma série de moléculas orgânicas e é onde os planetas começam a se formar, é o responsável por criar condições favoráveis para o desenvolvimento de nanodiamentas, que tamém podem ser achados em meteoritos. 

"Finalmente, após 20 anos, a fonte do enigma foi desvendada. Essa é a primeira análise e 'prova' nítida da emissão de micro-ondas anômala vinda de discos protoplanetários", afirmou a cientista.

Vale mencionar que, para o registro e o estudo de três estrelas jovens, a equipe usou o Telescópio Robert C. Byrd Green Bank e o Telescópio Compacto da Austrália, que detectaram a luz infravermelha vinda dos discos protoplanetários que cercam as esferas de plasma.

Leia também: Cientistas criam "cadáver virtual" para estudo de anatomia e dissecação humana

"Esta é uma resolução inesperada de todo o mistério que envolve a radiação anômala de micro-ondas e as ' nuvens de diamantes' . É muito importante como tal descoberta pode evidenciar os discos protoplanetários e mostrar as características químicas dos primeiros sistemas solares, incluindo o nosso", concluiu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.