undefined
Reprodução/Popular Mechanics
Para pesquisadores, Jesus Cristo possuía traços considerados típicos de judeus do Oriente Médio na região da Galileia

De acordo com um estudo da Universidade de Manchester, no Reino Unido, a aparência de Jesus Cristo pode ser bem diferente do que aquela conhecida mundialmente. A representação tradicional de um homem caucasiano de cabelos castanhos claros e longos e pele branca é contestada pelo pesquisador Richard Neave, que mostrou outras características mais condizentes à verdade, como pele bronzeada e cabelos curtos.

Leia também: Nuvens "alienígenas" aparecem no céu e deixam moradores muito intrigados

Por meio da análise de crânios semitas, Neave recriou a face de Jesus  Cristo , trazendo outras possibilidades para sua aparência: olhos escuros, cabelos cacheados, barba espessa e pele bronzeada, traços considerados típicos de judeus do Oriente Médio na região da Galileia, norte de Israel.

A aparência de Jesus Cristo

Ao portal  Popular Mechanics , o estudioso explica que, devido à escassez de informações acerca dos traços físicos de Jesus no Novo Testamento, bem como a falta de resquícios mortais, como partes de seu esqueleto, ele decidiu ir mais a fundo nas pesquisas, principalmente por defender que “as criações mais famosas da imagem do Nazareno foram baseadas no contexto e padrão estético da sociedade a qual pintores e escultores que as fizeram estavam inseridos”.

Leia também: Estudo revela que grávida medieval  'deu à luz' depois de ser enterrada; entenda

Assim, o cientista utilizou a antropologia forense, alguns dados retirados da Bíblia e a análise da cultura da época, além de informações arqueológicas e métodos utilizados para solucionar crimes para que a equipe reformulasse hipóteses e trouxesse novas perspectivas acerca da figura religiosa.

A tomografia computadorizada para criar 'fatias' dos crânios, bem como programas especializados para calcular medidas e evidenciar tons de pele e músculos também foram usados para a recriação, concretizada com a técnica 3D digital e moldes de argila.

Os pesquisados afirmaram que somente o estudo dos crânios não foi suficiente para identificar a cor dos olhos e a barba, que só foram descobertos depois de um longo período de observação de obras de arte do primeiro século e da leitura minuciosa do livro sagrado.

Leia também: Elefante é flagrado "fumando" na Índia e intriga especialistas; assista ao vídeo

“Detectamos que a aparência que Jesus Cristo provavelmente se distancia muito das representações da estética Renascentista. Ele seria mais musculoso do que o retratado, e mais baixo, com altura de 1,50 metro. Também identificamos que ele pesaria aproximadamente 50 kg”, concluiu Neave.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários