undefined
Reprodução/ World Neurosurgery
Esqueleto de grávida foi encontrado em parque arqueológico em 2010, com restos mortais de um feto entre as pernas

Uma descoberta macabra na Itália chocou uma equipe de pesquisadores que analisava um campo arqueológico em Ímola, na Itália. De acordo com o Daily Mail , os estudiosos encontraram dois cadáveres bem conservados em 2010, sendo o de uma mulher grávida com os restos mortais de um feto entre as pernas.

Leia também: Elefante é flagrado "fumando" na Índia e intriga especialistas; assista ao vídeo

Pesquisadores das Universidades de Ferrara e Bolonha relataram que o caso de “nascimento de caixão”, termo usado para quando um feto é expulso de uma grávida morta devido ao aumento da pressão de gás dentro do corpo em decomposição, ocorreu na Idade Média, há centenas de anos.

A descoberta

Os estudiosos explicam que, no momento do enterro, tanto a mãe, que tinha entre 25 e 35 anos, quanto a criança já estavam mortas. Entretanto, o bebê foi empurrado para fora do cadáver só depois.

As análises publicadas em fevereiro na revista World Neurosurgery ainda apontam que a mulher continha uma perfuração de 5 mm na cabeça, o que para eles indica que ela passou por uma neurocirurgia conhecida como trepanação, semana antes de falecer. 

Leia também: Estudo revela que 'Ata, a alien' era um feto humano que sofreu mutação genética

undefined
Reprodução/World Neurosurgery
Cientistas dizem que mulher continha uma perfuração de 5 mm na cabeça

“Esse tipo de procedimento foi muito usado para tratar doenças comuns na gravidez, como a eclampsia, série de convulsões que pode afetar as mulheres após a 20ª semana de gestação. Doenças hipertensivas também eram amenizadas e até mesmo curadas com esse método”, escreveram no estudo.

Os autores da pesquisa explanam que febre alta, cefalalgia frontal e hemorragia cerebral eram manifestações desses problemas, que provavelmente afetou a mulher medieval. Eles ainda asseguram que a perfuração estava cicatrizada, indicando que a cirurgia não foi a causadora da morte da mulher, grávida de 38 semanas.

Leia também: Fóssil de leão gigante que viveu há 200 mil anos é encontrado no Quênia

"Ainda há vários pontos desconhecidos sobre a causa da morte da grávida, há muitas hipóteses diferentes. Ela pode ter morrido por problemas de saúde na gestação ou devido a complicações na hora do parto. De qualquer forma, encontrar um caso de nascimento de caixão e de trepanação é extremamente raro. Esperamos que esses estudos levantem ainda mais informações acerca da história clínica da neurocirurgia na Idade Média".

    Veja Também

      Mostrar mais