Tamanho do texto

Pesquisadores das universidades de Utah e Arkansas alegam que felino era mais alto que um homem com estatura mediana; segundo eles, animal fazia parte de espécie extinta, maior que qualquer outro grupo moderno de leões

Análises dos ossos do leão mostraram que ele era maior e mais alto do que qualquer outra espécie ainda viva na África
Reprodução/Shutterstock
Análises dos ossos do leão mostraram que ele era maior e mais alto do que qualquer outra espécie ainda viva na África

O fóssil de um leão gigante foi encontrado pela primeira vez em um parque arqueológico de Natodomeri, no Quênia. Segundo pesquisadores das universidades de Utah e Arkansas, o animal era tão alto quanto um humano, e pode ter vivido com um grupo de felinos que habitou a África Oriental há cerca de 200 mil anos.

Leia também: Estudo revela que 'Ata, a alien' era um feto humano que sofreu mutação genética

Os estudiosos acreditam que o esqueleto provavelmente pertença a uma espécie extinta, substancialmente maior do que qualquer população moderna ou subespécie de leão . Eles afirmaram que, para calcular seu tamanho, foi preciso uma observação minuciosa da carga dentária e do crânio do animal. 

“Os leões machos têm, em média, 1,2 metro de comprimento, enquanto a espécie recém-descoberta está bem mais próxima da altura média de um homem, com 1,70 metro”, escreveram os cientistas em uma pesquisa publicada no Journal of Palentology .

A descoberta

De acordo com o Daily Mail , os cientistas destacam que a figura do felino está muito presente na cultura humana, o que pode ser percebido por meio da preservação da arte paleontológica e até mesmo em clássicos como o filme Rei Leão, da Disney, segundo apontam. 

Leia também: Cientistas descobrem motivo por trás de "mistério" da leoa que desenvolveu juba

“No mundo científico, os leões também são foco de atenção. Esse crânio é a primeira evidência da existência de uma população de leões gigantes no final do período Pleistoceno Médio e na tardia África Oriental, o que talvez tenha acontecido pela presença da biomassa na megafauna, que era muito maior do que nos dias atuais”.

Por meios de análises dos ossos do felino gigante, principalmente do crânio, as equipes das universidades americanas descobriram que esse animal, em específico, era maior do que os leões-da-caverna da Eurásia do Pleistoceno, e ainda mais robusto e alto do que qualquer outro leão vivo na África, ou fóssil estudado anteriormente.

Leia também: Último rinoceronte-branco do norte macho do mundo morre no Quênia aos 45 anos

Segundo o estudo que descreveu características físicas do leão gigante, os chamados felinos modernos apareceram pela primeira vez no sul e leste da África, antes de evoluírem em dois grupos: um que atualmente vive na África Oriental e Austral, e outro que habita a África Ocidental e a Índia.