Tamanho do texto

Pesquisadores perderam contato com o satélite no final de 2016 e, desde então, tentam rastreá-lo; a estação está em fase de deterioração e poderá pousar em áreas de países como Estados Unidos, Índia, Itália ou Espanha

Estação espacial Tiangong-1  poderá cair em diferentes países; especialistas dizem que é provável que pouse no mar
Reprodução/Leo Delauncey Daily Mail
Estação espacial Tiangong-1 poderá cair em diferentes países; especialistas dizem que é provável que pouse no mar

Pode parecer notícia de ficção científica, mas é real. Segundo os pesquisadores da Agência Espacial Europeia (ESA), a primeira estação espacial da China, a Tiangong-1, deverá cair na Terra entre março e abril deste ano. Até aí, nada de muito novo, porém, o fator que preocupa os cientistas é que as peças da estação de nove toneladas carregam um propulsor de hidrazina, uma substância altamente tóxica, e ninguém sabe exatamente quando a estação 'despencará' no planeta. 

Leia também: Pesquisadores buscam 'trono alien' de faraó dentro da Grande Pirâmide do Egito

A Tiangong-1 é a primeira estação espacial chinesa, lançada em 2011. O módulo cumpriu bem o seu papel e durou o tempo previamente imaginado pelos engenheiros, entretanto, causou "dores de cabeça" depois que o contato com a estação foi perdida, no final de 2016. 

Rastreamento

Diversas equipes tentaram rastreá-la, e devido a essas tentativas, conseguiram estipular o tempo que cairá no planeta. Para a ESA, o satélite entrará em orbita entre 17 de março a 21 de abril.  É importante lembrar que está em deterioração, e que, por isso, somente alguns fragmentos irão atingir a Terra. Segundo os especialistas, ao menos 40% da estação poderá se salvar.

Cálculos feitos por diferentes agências apontam que a possibilidade da Tiangong-1 pousar no mar, na área dos Estados Unidos, é grande. Porém, pode cair em territórios da Espanha, Itália, Grécia, Turquia e Índia, outros países em risco. 

Leia também: Sinais de rádio misteriosos podem estar sendo enviados por aliens, diz estudo

Segundo o chefe do Escritório de Detritos Espaciais da ESA, Holger Krag, mesmo com a campanha internacional de monitoramento da reentrada do satélite, lançada no final do ano passado pela agência, ainda há muitas informações incertas e que podem mudar totalmente de acordo com novos registros. "Tudo o que temos até o momento é uma data que pode variar e uma ideia do local onde pousará” disse ao Daily Mail .

Leia também: Erro no cálculo: astronauta volta atrás e diz que não cresceu 9 cm no espaço

Vale mencionar que, no final de 2016, a China lançou sua a estação espacial sucessora, a Tiangong-2, e recentemente desenvolveu sua primeira nave espacial de carga. A Rússia, por sua vez, tem se associado à Nasa  para a construção de um novo satélite lunar, o que descarta a eliminação dessas estruturas em nosso sistema solar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.