Tamanho do texto

Arqueólogos descobriram as covas no leste chinês, onde acredita-se que uma civilização neolítica viveu há milhares de anos; veja imagens dos "gigantes"

Os esqueletos dos
Reprodução/Youtube New China TV
Os esqueletos dos "gigantes" foram descobertos por arqueólogos no leste da China


Arqueólogos encontraram esqueletos um tanto quanto diferentes na província de Shandong, na China. As ossadas, que têm cerca de 5 mil anos, podem ter pertencido a "gigantes" que habitaram aquela região no período neolítico – e o filósofo Confúcio está envolvido nessa história.

Leia também: Tatuada e poderosa: revelada a face da mulher que chefiou o Peru há 1,7 mil anos

Os ossos dos gigantes chegam a medir até 1,90 metro. O apelido, que pode parecer um exagero para a média de altura nos dias de hoje, faz sentido se se levar em conta  a média dos chineses daquele período. “Essas medidas são baseadas na estrutura do esqueleto. Se pudéssemos ver essa pessoa viva, com toda a certeza ela seria mais alta do que isso”, explicou Fang Hui, presidente da escola de História e Cultura da Universidade de Shandong, de acordo com a agência XinhuaNet .

Esta descoberta adiciona aspectos inéditos a uma pesquisa que, desde 2016, organiza escavações em ruínas do vilarejo de Jiaojia. Milhares de anos atrás, a cultura Longshan, instalada no baixo e médio Rio Amarelo, teve seu centro político, econômico e cultural onde hoje está localizada Shandong, e agora sabe-se que a altura de seus habitantes era atípica para a média do continente na Idade da Pedra.

Os esqueletos correspondem à cultura Longshan, que habitou a região durante o período neolítico
Reprodução/Youtube New China TV
Os esqueletos correspondem à cultura Longshan, que habitou a região durante o período neolítico


A novidade, entretanto, não é um fato isolado e completamente desconhecido. Os nativos da região, por exemplo, têm a média de altura ligeiramente maior que a média nacional – em 2015, os homens de 18 anos mediam 1,75 metro, enquanto a maioria dos chineses têm cerca de 1,72 metro de altura.

Além disso, uma evidência pouco científica ganhou indícios de credibilidade: o filósofo Confúcio , que viveu entre 552 e 479 antes da era comum, viveu em Shandong, e rumores diziam que ele media 1,90 metro.

Leia também: Arqueólogos restauram múmia fashion de 1.100 anos que "calçava Adidas"

Mais descobertas sobre os Longshan

O sítio arqueológico de Jiaojia revelou que a população que habitava a o leste da China já era sedentarizada: eles praticavam a agricultura, tinham acesso a uma alimentação rica em nutrientes e conseguiram se desenvolver muito bem fisicamente.

Outro aspecto importante da sua vida econômica era a criação de porcos – inclusive, dentes e outros ossos suínos foram encontrados em algumas covas.

“Estudos e escavações do sítio são muito importantes para que possamos entender a origem da cultura desta região”, declarou o chefe do Departamento de Herança Cultural da província, segundo a agência chinesa, sobre os gigantes.

Leia também: China descobre esqueleto de mãe abraçado ao filho para protegê-lo de tremor