Tamanho do texto

Além de oferecer voos comerciais, o país pretende construir estação lunar permanente, para onde enviarão 12 cosmonautas dentro de alguns anos

Depois dos EUA, Rússia quer ser o segundo país a pousar na lua e promete levar nove turistas à bordo de nave em 2022
Nasa
Depois dos EUA, Rússia quer ser o segundo país a pousar na lua e promete levar nove turistas à bordo de nave em 2022

Na corrida para levar turistas ao espaço, a Rússia está cada vez mais perto do primeiro lugar. A principal agência espacial do país, a Energia, anunciou que pretende começar a oferecer voos comerciais à Lua em 2022.

LEIA MAIS: Nasa descobre sete novos planetas do tamanho da Terra que podem ter água líquida

A empresa afirmou que venderá nove assentos da nave espacial Soyuz a turistas já no outono de 2017. A viagem permitirá que os viajantes voem pela órbita da Lua no caminho para o destino final: a Estação Espacial Internacional.

O diretor executivo da Energia, Vladmir Solnstev, anunciou os planos em entrevista à agência de notícias russa, “RIA Novosti”. “Nós estamos prontos para assinar contratos para voos turísticos em março de 2017.”

“O voo à órbita lunar com turistas espaciais pode acontecer entre cinco e seis anos após a assinatura do contrato. As condições estão sendo discutidas com potenciais candidatos”, disse.  Não ficou claro, entretanto, qual será o custo da viagem e qual critério é utilizado para selecionar os turistas sortudos.

LEIA MAIS: Britânicos prometem voos comerciais ao espaço já a partir de 2020

Esse anúncio acelera em quase dez anos a linha do tempo da Energia, que antes havia sugerido que só realizaria voos comerciais a partir de 2031. “Em 2030 enviaremos uma nave com astronautas e, em 2031, pretendemos pousar no satélite natural da Terra”, disse Solnstev em novembro.

Corrida ao espaço

Por enquanto, a Nasa foi a única agência espacial a realizar pousos em solo lunar. Durante as missões Apollo, 12 astronautas pisaram no satélite entre 1969 e 1972. A agência espacial russa Roscosmos anunciou em setembro que estava realizando simulações em preparação para o plano do país de manter 12 cosmonautas estacionados na superfície lunar.

Pesquisadores estão usando uma plataforma que simula a gravidade lunar construída pela Energia na década de 1970. O teste deve determinar o nível de dificuldade que será enfrentado pelos cosmonautas para andar no satélite e desembarcar de rovers.

LEIA MAIS: Com um só foguete, Índia bate recorde mundial e coloca 104 satélites em órbita

Assim que conseguirem montar um panorama da realidade na Lua, os profissionais focarão em aspectos logísticos e aerodinâmicos para depois pensar no design das bases lunares permanentes, rovers, passarelas e outros aspectos importantes da missão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.