Tamanho do texto

Novos estudos comprovam que a teoria de que humanos são feitos de poeira de estrelas é verdadeira ao estudar os elementos que compõem a Via Láctea

Apesar de humanos e estrelas compartilharem os mesmos elementos, a proporção com a qual eles aparecem é diferente
European Southern Observatory
Apesar de humanos e estrelas compartilharem os mesmos elementos, a proporção com a qual eles aparecem é diferente

De acordo com novo estudo, todos somos estrelas. Uma pesquisa concluiu que humanos e a Via Láctea compartilham 97% dos átomos de sua composição. Após a análise de 150 mil estrelas, também foi possível concluir que os ‘elementos da vida’ são mais presentes próximos ao centro da galáxia.

+ Astrônomos identificam 1 bilhão de estrelas em mapa detalhado da Via Láctea

Esses elementos essenciais para a vida na terra, chamados casualmente de ‘blocos de construção da vida’ podem ser abreviados como CHNOPS: carbono, hidrogênio, nitrogênio, fósforo e enxofre. Essa foi a primeira vez que os astrônomos catalogaram abundância desses elementos em uma grande amostragem de estrelas .

“Pela primeira vez, agora nós podemos estudar a distribuição do elementos na nossa galáxia” disse Sten Hasselquist, pesquisador da Universidade Estadual do Novo México, nos Estados Unidos, ao portal britânico Daily Mail . “Os elementos que nós medimos incluem átomos que compõem 97% da massa do corpo humano”.

+ Objeto descoberto na Via Láctea que pode mudar entendimento sobre galáxias

Para que fosse possível avaliar a abundância de cada elemento, os astrônomos usaram o método da espectroscopia. Como cada elemento emite um comprimento de onda de luz diferente, a espectroscopia mede os padrões no espectro de luz de cada estrela para determinar sua composição.

Para poder passar pela poeira da Via Láctea, os cientistas do Sloan Sky Digital Survey (SSDS), responsável pela pesquisa, utilizaram um espectroscópio instalado no Novo México. O diferencial desse instrumento é a utilização de tecnologia infravermelho, que é capaz de atravessar a poeira da galáxia.

+ Astrônomos descobrem 'fóssil' que ajuda a entender formação das galáxias

“Esse instrumento coleta luz na parte próxima ao infravermelho do espectro magnético e a dispersa, como um prisma, para revelar a assinatura de diferentes elementos na atmosfera das estrelas”, disseram os representantes da SSDS em nota.

Por mais que os seres humanos compartilhem a maior parte de seus elementos com as estrelas, as proporções desses elementos são bem diferentes.  O oxigênio, por exemplo, representa 65% da composição da massa nos humanos enquanto no espaço ele compõe menos de 1% de todos os elementos encontrados.