Meninas de 12 anos e namorado de 16 teriam matado mãe que era contra o relacionamento e enterrado em cova improvisada no fundo da casa
Divulgação/Polícia Civil
Meninas de 12 anos e namorado de 16 teriam matado mãe que era contra o relacionamento e enterrado em cova improvisada no fundo da casa

Uma menina de 12 anos de idade e o seu namorado de 16 são suspeitos de terem cometido o assassinato da mãe da jovem, de 37 anos, que era contra o relacionamento. O crime teria acontecido no fim da tarde da última quinta-feira (28), na cidade de Pinheiro Machado, na Região de Campanha, no sul do Rio Grande do Sul, mas os detalhes da história só foram sendo revelados aos poucos.

Leia também: Ato em homenagem a jovem morto na Maré reúne centenas de estudantes no Rio 

Segundo a investigação da Polícia Civil, a mulher teria sido morta com golpes de martelo na cabeça, dentro da própria casa. O corpo da vítima foi encontrado enterrado numa cova improvisada no fundo do pátio da casa onde a empregada doméstica morava com a filha mais velha, a menina suspeita de 12 anos, o marido, um trabalhador rural que não estava em casa no momento do crime e a filha mais nova, de 6, que estava.

Ainda segundo a Polícia, os dois suspeitos foram apreendidos em residência próxima ao local do crime na tarde de sexta-feira (29), após o adolescente ter revelado o crime para um parente que chamou a Brigada Militar e acionou o Conselho Tutelar.

Segundo os brigadistas, inicialmente ambos negaram a autoria do crime, mas acabaram confessando à caminho da delegacia. Eles teriam confirmado que a motivação do crime teria sido a resistência da mãe da garota em aceitar o relacionamento de ambos. A família da menina, inclusive, já tinha registrado ocorrência contra o jovem por estupro de vulnerável já que, pela lei, menores de 14 anos não podem manter relações sexuais, nem com autorização.

"O rapaz tem 16 anos, a menina tem 12 e a lei veda porque nós temos a questão de estupro de vulnerável. A relação sexual de menores de 14 anos, mesmo com consentimento, não é válida e constitui crime", explicou o delegado da Delegacia de Polícia de Bagé, Luis Eduardo Sandim Benites.

Leia também: Mulher morre ferida com taça de vidro durante comemoração da vitória do Brasil

Você viu?

O próprio delegado também revelou que, em depoimento, "o jovem conta que a mãe dela era contra o namoro e tentou agredi-lo com um facão. Ele disse que se defendeu e que a namorada apareceu com um martelo e que eles golpearam a cabeça da mãe no calor da emoção." O policial, porém, acredita que possa ter sido um crime premeditado .

Segundo ele, a perícia realizada no local do crime mostra indícios de crime planejado. De acordo com o exame de autópcia realizada no corpo da vítima, há sinais de que a mulher foi agredida na própria cama.

O delegado contou que havia sangue sobre o travesseiro e alguns sinais de sangue nas paredes. "Diante disso, pode ter uma outra possibilidade: que eles tenham matado a vítima enquanto ela estava dormindo. Então teria sido algo premeditado", explicou o delegado que completou dizendo que o martelo foi enterrado junto ao corpo: "por todos os elementos que foram verificados no local, há uma tendência de que houve um planejamento".

Namorado e menina suspeita encaminhados à FASE

Após a prisão, os dois jovens foram encaminhados ao Ministério Público que pediu a internação de ambos. A menina foi encaminhada para a unidade feminina da Fundação de Atendimento Sócio-Educativo (FASE) de Porto Alegre e o rapaz para a FASE em Pelotas. Eles responderão por homicídio e ocultação de cadáver.

"A princípio, ela (suspeita) não demonstrava emoção em relação ao fato, talvez pela própria situação, uma anestesia moral ou até por estado de choque, mas isso nós não temos condições de avaliar", afirmou o delegado em entrevista à emissora local RBSTV.

Leia também: Polícia prende casal suspeito de participar da morte de Vitória Gabrielly

Testemunhas começaram a ser ouvidas pela Polícia ainda na tarde de sexta-feira, mas a irmã caçula da menina suspeita , a princípio a única presente no local do crime além dos acusados, ainda não foi ouvida. Para ela, por conta da pouca idade, um depoimento em sala espacial deverá ser realizado com a ajuda de uma psicóloga especializada no atendimento da infância e juventude.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários