Tamanho do texto

As fugas aconteceram em Salvador, na Bahia. Ao todo 38 presos conseguiram escapar; poucos foram recapturadas e buscas continuam nas proximidades

Fuga de 38 detentos, de cadeias distintas, acontecem em menos de 24 horas
shutterstock
Fuga de 38 detentos, de cadeias distintas, acontecem em menos de 24 horas


Em menos de 24 horas Bahia tem a segunda fuga em massa de detentos. Segundo a assessoria de comunicação da Polícia Civil,  21 presos fugiram da carceragem da 4ª Coordenadoria de Polícia Civil do Interior (Coorpin) de Santo Antônio de Jesus, cidade que fica a cerca de 185 quilômetros de Salvador, por volta das 23h30.  

+ Briga em presídio termina com dois mortos em São Paulo

A outra fuga ocorreu na madrugada da sexta-feira (13) no Complexo Penitenciário de Mata Escura, também em Salvador, em que 17 detentos conseguiram escapar do complexo após serrar as grades de uma das celas.

Exoneração

Após a ocorrência no Complexo Mata Escura, o governador  da Bahia, Rui Costa, pediu a exoneração do diretor da Cadeia Pública, o capitão da PM Pablo Fagner Araújo Carvalho, e do diretor adjunto da unidade prisional, Paulo Cesar Gonçalves Sacramento. Os agentes penitenciários afirmaram ter percebido a fuga dos detentos pela manhã, quando encontraram a cela danificada e sem os detentos.

 Investigação

Além da exoneração de três responsáveis pelo complexo,  a Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap)   afirmou que abrirá sindicância para verificar se os procedimentos de segurança foram feitos e as circunstâncias da fuga dos 17 detentos.++

+Vamos prezar pela disciplina", diz novo responsável por presídios do Amazonas

 Outro caso

Já o caso da carceragem do Coorpin o número de presos que fugiram foi maior. Os presos conseguiram quebrar uma barra de ferro de uma das celas, o que facilitou a fuga, ao quebrarem os cadeados de outras celas e fazer uma corda com lençóis para pular o muro da carceragem. Todos os detidos fugiram pelos fundos da Coorpin.

Segundo informações da polícia, os plantonistas -  sendo um delegado, um escrivão e dois agentes, que estavam no local nada perceberam durante a fuga.  Os nomes dos fugitivos não foram divulgados e até o presente momento, poucos detentos foram recapturados pela polícia da Bahia.

Após o fato a assessoria da Polícia Civil afirmou que grande parte dos foragidos esperava por vaga em presídio, outros aguardavam no Coorpin audiência de custódia. Fo afirmado ainda que após a fuga no local, a segurança foi reforçada e que as buscas pelos detentos continuam no entorno da delegacia.

+ Temer chama massacre em Manaus de "acidente pavoroso" e anuncia novos presídios