Em ligação, Ribeiro conversava com a filha sobre receio de Bolsonaro ser afetado pela operação da PF
Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil - 17/03/2022
Em ligação, Ribeiro conversava com a filha sobre receio de Bolsonaro ser afetado pela operação da PF

Em uma ligação interceptada pela Polícia Federal no dia 9 de junho, o ex-ministro da Educação  Milton Ribeiro conversava com a filha sobre o receio do presidente Jair Bolsonaro "ser atingido" por meio de uma operação da Polícia Federal deflagrada contra ele, quando foi avisado pela interlocutora que ela estava telefonando de um "celular normal".

“Não, pai... essa voz não é definitiva, não sei se ele tem alguma informação. Eu estou te ligando do celular normal, viu, pai”, diz ela.

A partir desse momento, Ribeiro muda o tom e tenta encerrar o conversa, o que indica que ele percebeu que poderia estar sendo grampeado pela Polícia Federal.

“Aé, então, depois a gente fala, tá.... (...) Beijos. Mas Deus vai cuidar.”

Na hora de se despedir, Ribeiro faz questão de frisar que o presidente estava falando em "pressentimento" e que os dois haviam se falando quando Bolsonaro estava em viagem aos Estados Unidos.

Antes de ser alertado pela filha, Ribeiro dizia que o presidente achava que poderia ocorrer uma operação de busca e apreensão contra ele.

“Hoje o presidente me ligou... ele está com um pressentimento, novamente, que eles podem querer atingi-lo através de mim, sabe? É que eu tenho mandado versículos pra ele, né? (...) Ele acha que vão fazer uma busca e apreensão... em casa. é muito triste. Bom! Isso pode acontecer, né? Se houver indícios, né?”, diz ele, na ligação.

No final do diálogo, a filha acrescenta que eles "não têm nada a esconder". “E boa sorte para quem quiser fazer uma busca no 21”, diz ela, dando a entender que o apartamento estava muito bagunçado por causa de uma mudança.


Na última quarta-feira, dia 22, Ribeiro foi alvo da Operação Acesso Pago deflagrada pela Polícia Federal. Ele chegou a ser preso preventivamente, mas foi solto após uma decisão do desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Como Ribeiro havia deixado o comando do MEC, o caso tramitava na primeira instância da Justiça Federal do DF. O Ministério Público Federal, no entanto, apontou que houve indícios de vazamento da ação e possível "interferência ilícita" por parte de Bolsonaro - o que motivou um pedido para que o processo voltasse ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Ribeiro é investigado na Operação Acesso Pago pela suposta prática dos crimes de corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência. A defesa do ex-ministro nega qualquer irregularidade e diz que a prisão não tinha justificativa, porque ele não exercia mais influência no governo federal e tem bons antecedentes criminais.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários