Bruno Araújo Pereira, indigenista da Funai
Reprodução: TV Globo - 15/06/2022
Bruno Araújo Pereira, indigenista da Funai

Nessa terça-feira (21), o superintendente da Polícia Federal no Amazonas, Eduardo Fontes, disse durante entrevista à Rádio Gaúcha que as investigações sobre o assassinato do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips indicam que o especialista chegou a atirar cinco tiros após ser baleado pela primeira vez.

Os suspeitos do crime que deram seus depoimentos à Polícia confirmaram a informação. De acordo com o superintendente, a arma que Bruno teria usado se perdeu nas águas do rio. Após ser baleado pela segunda vez, o indigenista teria perdido o controle da lancha em que estavam, e a pistola de Bruno teria caído na água. Ele tinha porte de arma.

A perícia indica que Dom e Bruno foram mortos por armas de caça. As armas usadas para o assassinato ainda não foram encontradas, e a suspeita é de que elas foram jogadas no rio. Os suspeitos já haviam sido apontados pela PF: Amarildo Oliveira, que admitiu ser autor dos disparos; Jefferson da Silva Lima, também um assassino confesso; e Oseney Oliveira, que nega o envolvimento nos crimes.

Além deles, outros cinco nomes foram identificados acusados de ajudar na ocultação dos cadáveres e confessaram essa participação.

Bruno recebeu dois tiros no abdômen e um na cabeça. Dom também levou tiros no tórax. A previsão é de que os corpos sejam liberados ainda nesta semana.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários