IBGE diz que não vai incluir perguntas sobre identidade de gênero/orientação sexual no censo
Reprodução
IBGE diz que não vai incluir perguntas sobre identidade de gênero/orientação sexual no censo


O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) , afirmou que não será possível incluir perguntas sobre orientação sexual e identidade de gênero no censo que será realizado em agosto deste ano.

Em  comunicado divulgado nesta quinta-feira (9), o órgão ressaltou que a não inclusão dos quationários se dá porque ainda não há técnica e metodologia adequadas para tratar dos temas com o respeito que eles merecem. 

"Sobre a decisão da Justiça Federal do Acre, o IBGE informa que, a menos de dois meses do início da operação do Censo Demográfico 2022, não é possível incluir no questionário pergunta sobre “orientação sexual/identidade de gênero” com técnica e metodologia responsáveis e adequadas - muito menos com os cuidados e o respeito que o tema e a sociedade merecem", destacou o instituto.

O IBGE também enfatizou que a inclusão dos campos sobre orientação sexual/identidade de gênero implicaria em impactos financeiros severos, dado que seriam necessárias revisitas às pessoas, o que poderia inviabilizar a operação censitária.


Além do argumento de que seria uma irresponsabilidade colocai em risco a integridade do censo ao incluir as novas perguntas, o instituto também afirmou que quesitos relacionados à identidade de gênero e orientação sexual já estão inseridos em uma série de pesquisas do órgãos.

São elas: Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), Pesquisa Nacional de Demografia em Saúde (PNDS), Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) e na próxima edição da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF).

Determinaçõa da Justiça

A Justiça Federal do Acre determinou que o IBGE inclua os campos de  orientação sexual e "identidade de gênero no Censo de 2022. 

O juiz federal Herley da Luz Brasil aceitou um pedido de liminar feito pelo Ministério Público Federal e determinou que o instituto responda em até 30 dias sobre as providências tomadas para cumprir a decisão.

Para o MPF,  a informação estatística cumpre um significativo papel na efetivação de políticas públicas por evidenciar questões sociais ainda latentes, e é somente a partir do conhecimento da quantidade e condições de vida dessas populações que suas demandas sociais podem fazer parte da agenda estatal.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários