O governador do RS, Eduardo Leite (PSDB)
Reprodução - 28.03.2022
O governador do RS, Eduardo Leite (PSDB)

O grupo do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), acredita que caso sejam realmente confirmadas as desistências das candidaturas de João Doria e de Sergio Moro abre-se a possibilidade de construção de uma união de até seis partidos na disputa presidencial em torno de uma chapa formada pelo gaúcho e pela senadora Simone Tebet (MDB).

A ideia de aliados de Leite é que seja selada uma aliança entre os dois com o compromisso de que a definição sobre quem ficaria com a cabeça da chapa só ocorreria no futuro diante da análise de pesquisas e cenários. O preterido seria o vice.

Além de PSDB e MDB, a aliança contaria também com o União Brasil, o Cidadania e o Podemos. Há a intenção ainda de atrair o Novo, que lançou a pré-candidatura do cientista político Felipe D´Ávila, para o grupo.

Ceticismo gaúcho

O movimento de Doria pegou Leite de surpresa na madrugada desta quinta-feira. O governador gaúcho ainda mantém um certo ceticismo em relação à desistência do seu companheiro de partido e só deve se pronunciar publicamente após ele confirmar que realmente ficará no governo de São Paulo.

Leia Também

Caso Doria realmente desista, aí sim Leite, que perdeu as prévias do PSDB para o paulista em novembro do ano passado, se colocará à disposição para assumir o projeto presidencial.  

governador gaúcho já entregou a sua carta de renúncia à Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul e na noite desta quinta-feira passará o cargo para o seu vice, Ranolfo Vieira Junior.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários