Sérgio Camargo
Reprodução/redes sociais
Sérgio Camargo

Deivison de Campos, historiador e professor da Universidade Luterana do Brasil, move uma ação na Justiça Federal contra a Fundação Palmares, comandada por Sérgio Camargo. Segundo o pesquisador, estudioso do movimento negro, um trecho de uma dissertação sua teria sido utilizado fora de contexto no relatório da instituição que defendia o banimento de livros da biblioteca Oliveira Silveira.

Segundo os advogados Paulo Preti e Luana Pereira, que representam o professor, a ação pede a retirada do trecho, a publicação de nota de resposta no site da fundação e indenização por danos morais. A ação teve início em junho do ano passado. Nesta semana, a 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região negou um pedido de tutela antecipada para que o trecho fosse retirado do relatório.

Para Deivison, os trechos da sua dissertação "O Grupo Palmares (1971 - 1978)" teriam sido usados de forma a depreciar o movimento negro no relatório "Retrato do Acervo: Três décadas de dominação marxista na Fundação Palmares", de abril de 2021.

Na dissertação, o historiador pesquisou o Grupo Palmares, ligado ao movimento negro de Porto Alegre, do qual fez parte o poeta Oliveira Silveira. No trecho em questão, ele afirma que o grupo adotava "discurso subversivo que coloca em xeque conceitos estruturantes da sociedade brasileira como democracia racial, identidade e cultura nacional." No relatório, a citação é usada pela Fundação Palmares para classificar o grupo como "datado" e de "mentalidade revolucionária".

Segundo seu relato, quando o documento começou a circular, ele chegou a ser questionado por colegas por ter seu nome associado ao relatório:

Leia Também

— É um dos únicos textos citados. É um documento que foi produzido com o objetivo de acusar as gestões anteriores da fundação de estarem ligadas a esse delírio de marxismo cultural. Me recuso a ter meu nome associado a essa organização nesse contexto. Considero descabido esse uso — disse Deivison de Campos.

A Justiça Federal em decisão de janeiro de 2021 proibiu que a Fundação Palmares se desfizesse do acervo em questão. A autarquia justificava a exclusão sob a justificativa de que grande parte delas era pautada por "revolução sexual, sexualização de crianças, bandidolatria e por um amplo material de estudo das revoluções marxistas e das técnicas de guerrilha". Títulos de Eric Hobsbawm, Caio Prado Jr., Celso Furtado, Karl Marx e Max Weber estavam entre os catalogados para doação.

Procurada, a Fundação Palmares ainda não se manifestou sobre a ação movida por Deivison de Campos.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários