Militares que alvejaram carro de músico com 80 tiros serão julgados pela Justiça
Reprodução
Militares que alvejaram carro de músico com 80 tiros serão julgados pela Justiça

Está agendada para ocorrer na próxima quarta-feira (13) o julgamento dos 12 militares que alvejaram com 80 tiros o carro do músico Evaldo Rosa dos Santos, que faleceu durante a ação. O caso ocorreu em abril de 2019 e o processo, que tramita na Justiça Militar da União , já foi adiado em três oportunidades. As informações são do portal Uol.

Na oportunidade, os militares foram denunciados por tentativa de homicídio, homicídio qualificado e omissão de socorro. A vítima - bem como o catador de recicláveis Luciano Macedo - foi baleada na região da Vila Militar em Guadalupe, zona norte do Rio de Janeiro. A denúncia contabilizou um total de 257 tiros de fuzil.

No carro estavam a esposa, o filho e o sogro de Evaldo - junto a uma adolescente - e todos iam a um chá de bebê. O músico faleceu instantâneamente. Informações da Procuradoria de Justiça Militar do Rio alegam que não havia posto de bloqueio ou blitz no local e, por isso, não haveria ordem para que o carro parasse.

A defesa dos militares alegou, em primeiro momento, que a ação tratava-se de uma resposta a um assalto. Os oficiais teriam confundido o carro de Evaldo com o de um criminoso que havia roubado o veículo minutos antes. O automóvel roubado, porém, é de outra marca e modelo - o músico possuía um Ford Ka e o roubado seria um Honda Fit.


Integrantes do 1º Batalhão de Infantaria Motorizado, o tenente Ítalo da Silva Nunes Romualdo, o sargento Fábio Henrique Souza Braz da Silva e soldados Gabriel Christian Honorato, Matheus Santanna Claudino, Marlon Conceição da Silva, João Lucas da Costa Gonçalo, Leonardo Oliveira de Souza, Gabriel da Silva de Barros Lins e Vítor Borges de Oliveira foram presos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários