Padres foram hostilizados por bolsonaristas no Ceará
Reprodução
Padres foram hostilizados por bolsonaristas no Ceará

Os padres Lino Allegri e Oliveira Braga Rodrigues, hostilizados por apoiadores do presidente  Jair Bolsonaro (sem partido) durante uma missa na no último dia 11, na Paróquia da Paz, na Aldeota, em Fortaliza Ceará, foram inscritos, nesta segunda-feira, no Programa estadual de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos (PPDDH-CE). A solicitação para a inscrição dos dois já foi encaminhada ao programa, coordenado pela Secretaria de Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos (SPS).

Os religiosos foram recebidos no Núcleo de Atendimento às Vítimas de Violência (NUAVV) do Ministério Público e relataram à promotora Joseana França, coordenadora do NUAVV), as agressões que vêm sofrendo quando celebram missas na paróquia. Para o MP, a situação configura "várias condutas ilícitas por parte de algumas pessoas que frequentam a igreja".

Você viu?

Além da inclusão no programa de proteção, Lino e Oliveira receberam também oferta de atendimento psicológico.

A Padre Lino começou a sofrer ataques após fazer críticas ao presidente Jair Bolsonaro, durante uma missa em 4 de julho, e lembrar as mais de 500 mil mortes por Covid-19 no Brasil. A partir daí, apoiadores do presidente passaram a fazer "vigílias" na igreja durante os fins de semana, durante as quais xingam e ofendem o religioso.

Governador determinou abertura de investigação

Por meio de uma rede social, o governador do Cearpa, Camilo Santana (PT), anunciou que determinou à Secretaria de Segurança Pública o envio de policiais para gara"garantir a integridade de Padre Lino" e tambem a instauração de um inquérito para apurar "qualquer tipo de ameaça contra ele". "Nao iremos aceitar que atitudes como essa, de ódio e intolerância, fiquem impunes", afirmou Santana em seu texto.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários