Lorenza, de 41 anos, foi morta e investigações apontam seu marido como autor de feminicídio
Arquivo pessoal
Lorenza, de 41 anos, foi morta e investigações apontam seu marido como autor de feminicídio

Em Minas Gerais , o Ministério Público declara ter comprovações de que o acusado, o promotor André Luiz Gardia Pinho tenha agido sozinho para matar sua esposa, Lorenza Pinho, de 41 anos, morta no dia 2 de abril. As informações foram apuradas pelo Uol.

De acordo com a TV Globo Minas, investigadores teriam justificado a falta de sangue no corpo da vítima como parte de um ritual “macabro”. Com o resultado da necropsia da vítima, foi revelado pelo ‘Fantástico’, no último domingo (16), que havia muito pouco sangue em seu corpo . "[Havia] muito pouco sangue, menos do que esperaria encontrar em cadáver normal", declarou o médico legista, Marcelo Mari de Castro.

Conforme conta o médico legista, apenas 1 litro de sangue foi constatado no corpo da vítima em condições saudáveis, porém, o estimado era que apresentasse cerca de 5 litros. Apenas 25 ml puderam ser coletados para a realização de exames como o toxicológico e de dosagem de álcool.

Com o andamento das investigações, foi encontrado nos registros do celular do suspeito, contatos de cursos de tanatopraxia , uma técnica que ajuda na preservação de cadáveres. E um de seus procedimentos, é a retirada de sangue.

Você viu?

O MP só chegou a conclusão sobre um possível ritual “macabro” após receber essa informação de uma fonte do caso. Comprovação mostra que Gardia supostamente agiu sozinho e que reforça as acusações de feminicídio contra ele.

O Ministério da região também abriu um processo contra os médicos que assinaram o atestado de óbito de Lorenza. Itamar Tadeu Cardoso, foi o primeiro a chegar na residência, após ligação de Gardia por uma ambulância e constatar que vítima estava morta. 

Na ficha, conta que a causa da morte foi por pneumonite, engasgo por alimento ou vômito. Mas, o IML não constatou nenhuma obstrução no pulmão e foram identificados sinais de violência. Em seguida, um segundo médico confirmou as causas da morte do laudo de Itamar Tadeu, para que assim, o corpo seguisse para a cremação, como desejava o marido. O Conselho Regional de Medicina se manifestou declarando que irá apurar a atuação dos médicos.

No mês de abril, o representante da equipe de defesa de André Pinho e Robson Lucas, se manifestaram através de nota dizendo que as marcas encontradas no corpo de Lorenza diziam respeito a tentativas de reanimação e que essa foi um dos pontos ressaltados pela perícia particular contratada pelo representante legal.

"Concluiu-se morte por intoxicação por remédios e álcool. As compressões torácicas e às duas tentativas de intubação naturalmente deixaram marcas, que são absolutamente compatíveis com os dois achados 'infiltrados hemáticos' na região torácica e região cervical", ressaltou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários