Polícia Civil encerra festa clandestina com 600 pessoas em Osasco
Secretaria de Comunicação do Estado de São Pauo
Polícia Civil encerra festa clandestina com 600 pessoas em Osasco

Uma força-tarefa de fiscalização do Governo de São Paulo encerrou, na mdrugada deste domingo (9), uma festa clandestina que reunia 600 pessoas em Osasco , na região da Grande São Paulo. Polícia Civil ainda flagrou outra  aglomeração de 100 pessoas em tabacaria na Capital. 

Em Osasco, a Vigilância Sanitária estadual identificou 400 pessoas sem máscaras. Além da falta de distanciamento, os participantes ingeriam bebidas alcoólicas e consumiam narguilé.

O local foi interditado por descumprir o Plano São Paulo e promover evento com aglomeração. O responsável pelo evento e três funcionários foram detidos pelos policiais do Comitê Blitze, força-tarefa de fiscalização do estado de São Paulo.

Também foram apreendidos equipamentos de som e uma máquina de cartão bancário. Os responsáveis foram autuados por infração de medida sanitária preventiva e encaminhados ao 10º DP de Osasco.

Já na zona sul da Capital, a Polícia Civil, por meio do Garra (Grupo Armado de Repressão a Roubos), flagrou 100 pessoas dentro de uma tabacaria , no Jardim São Luís. A operação contou com 50 policiais do Dope (Departamento de Operações Policiais Estratégicas) que se dirigiram até a Avenida Maria Coelho de Aguiar após denúncia. O caso foi registrado por infração de medida sanitária preventiva (artigo 268 do Código Penal) no DPPC (Departamento de Polícia e Proteção à Cidadania).

Além dessas ações, outros 12 estabelecimentos foram inspecionados e orientados, além de duas festas clandestinas flagradas pelo Comitê de Blitze, em conjunto com a Prefeitura de São Paulo. Entre os locais autuados, estão dois estabelecimentos localizados na Vila Madalena e no Tatuapé. Também foram percorridos os bairros da Penha, Vila Leopoldina, Pirituba e São Judas.

Qualquer pessoa pode denunciar festas clandestinas e funcionamento irregular de serviços não essenciais pelo telefone 0800-771-3541 e também no site www.procon.sp.gov.br ou pelo e-mail [email protected], do Centro de Vigilância Sanitária.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários