CPI da Covid: Senadores acreditam que Bolsonaro busca instigar sua base
Reprodução/Flickr
CPI da Covid: Senadores acreditam que Bolsonaro busca instigar sua base

Senadores que integram a CPI da Covid enxergam que as recentes atitudes de  Jair Bolsonaro (sem partido), como defender publicamente o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e de métodos que serão invesigados na comissão, como uma tentativa de demonstrar força e mobilizar sua base.

Segundo parlamentares, o Planalto atua em duas frentes: o presidente dobra a aposta na sua narrativa enquanto reúne informações para se defender das apurações da comissão parlamentar de inquérito - programada para ser instalada nesta terça-feira (27).

Na última semana, o presidente da República levou o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, a sua viagem para Manaus e o defendeu publicamente ao elogiar seu período à frente da pasta.

Em recente participação em um programa de televisão, Bolsonaro acumulou uma série de polêmicas com piadas questionáveis e posou com um cartaz escrito "CPF cancelado", em alusão a mortes de criminosos. O ato foi duramente criticado por parlamentares, que lembraram que a frase é comumente utilizada por grupos de milícias.

Você viu?

A Casa Civil defendeu, em nota, a reunião de informações concedidas aos ministérios para que uma defesa seja montada sobre as principais acusações.

"Diante da CPI da Covid no Senado Federal, nada mais natural que a Casa Civil reunir todos os dados e números de maneira a esclarecer qualquer questionamento feito no âmbito da comissão, além de se preparar para desmentir narrativas mentirosas que visem apenas atingir e desacreditar o governo federal", argumentou a pasta.


Dos 11 membros titulares, apenas 4 são 'governistas'. A maior preocupação de Bolsonaro, no entanto, é a relatoria da CPI destinada a Renan Calheiros (MDB-AL).

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários