Polícia investiga morte de paciente após uma nebulização com hidroxicloroquina, no Amazonas
Google Street View
Polícia investiga morte de paciente após uma nebulização com hidroxicloroquina, no Amazonas

No Amazonas , a Polícia Civil e o Ministério Público apuram a morte de uma paciente internado com o novo coronavírus que recebeu tratamento com nebulização com o remédio hidroxicloroquina . As informações foram apuradas pelo Metrópoles.

De acordo com a Secretaria de Saúde do Amazonas (Sesam), a médica responsável em aplicar o tratamento, com um medicamento que não foi comprovado cientificamente contra a Covid-19 , foi afastada do cargo. Profissional estava receitando remédio que foi diversas vezes divulgado pelo presidente Jair Bolsonaro .

“Tão logo tomou conhecimento do ato, a Sesam determinou abertura de sindicância e o afastamento da profissional”, declarou a Secretaria de Saúde do Amazonas, através de nota.

No Instituto da Mulher Dona Lindu (IMDL), cerca de duas pacientes receberam o tratamento de nebulização com hiroxicloroquina. As duas assinaram um termo de responsabilidade e uma paciente faleceu e a outra recebeu alta.

“A Sesam e o IMDL não compactuam com a prática de qualquer terapêutica experimental de teor relatado e não reconhecida e entendem que tais práticas não podem ser atribuídas à unidade de saúde, que tem como premissa o cumprimento da lei e dos procedimentos regulares, conforme os órgãos de saúde pública e os conselhos profissionais”, compartilhou.

“O procedimento tratou-se de um ato médico, de livre iniciativa da profissional, que não faz mais parte do quadro da maternidade, onde atuou por cinco dias”, ressaltou.

Médica foi contratada no dia 3 de fevereiro, com mais 2,3 mil profissionais pela Secretaria de Saúde local com o intuito de incluir mais médicos, de forma temporária, no combate contra o novo coronavírus, para atuarem em hospitais da rede estadual .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários