Manifestantes em frente a sede do governo
Patrick Marques/G1
Manifestantes em frente a sede do governo

No Amazonas , nesta quinta-feira (18), professores da rede pública de ensino da Associação Sindical dos Professores de Manaus ( Asprom ), organizaram um protesto que reivindicasse melhores equipamentos e condições para o início das aulas remotas. De acordo com a Associação, os professores não foram amparados com computadores, internet e nem um treinamento para o retorno as atividades escolares. As informações foram apuradas pelo G1. 

Segundo o professor Lambert Melo, presidente da Asprom, o sindicato buscou realizar reuniões com a Secretaria de Educação do Amazonas ( Seduc ), para que pudessem apresentar seus planos e debaterem sobre o início das aulas desde o início de 2021, porém, não obtiveram resposta da secretaria. 

“Nós queríamos discutir esse começo de ano letivo e apresentar nossas propostas para que o ano letivo pudesse começar de maneira tranquila. Não tivemos nenhuma resposta até o presente momento. Fomos a sede da Seduc presencialmente, mas o governo se fecha e não abre diálogo com a categoria”, declara o professor. 

Conforme as informações do presidente do sindicato, os professores não foram equipados e nem informados o suficiente para o retorno as aulas de modo remoto. A partir disto, os educadores resolveram ir até a sede do governo para requerer uma reunião com o governador Wilson Lima

“Nós precisamos ter computadores fornecidos pelo Governo do Estado, precisamos ter pacotes de internet pagos pelo governo, custeio de energia elétrica que gastamos ao trabalhar em casa e outros materiais usados no ensino de maneira remota e precisamos ter formação inicial e continuada para a utilização das tecnologias educacionais que estão sendo apresentadas no projeto Aula em Casa”, apontou Melo. 

O presidente da Associação declarou que os professores só pretendem retornar para as aulas presencias quando os educadores forem imunizados com a vacina contra o novo coronavírus . Eles também apelam para que a vacinação ocorra antecipadamente. 

“Inicialmente, voltamos de forma remota, mas sabemos que em algum momento o governo vai querer voltar com as aulas presenciais. Na medida em que esse retorno acontecer e os trabalhadores da educação não estiverem vacinados, nós não voltaremos. Não aceitaremos retornar sem a vacinação em massa da categoria. Nós queremos que seja antecipada para que seja feita imediatamente. Quanto mais cedo estivermos imunizados, mais cedo poderemos voltar para as aulas presenciais”, completou Melo. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários