Renan Calheiros promete oposição e avalia enfrentar Alcolumbre pela CCJ
Roque de Sá/Agência Senado
Renan Calheiros promete oposição e avalia enfrentar Alcolumbre pela CCJ

Escolhido líder da maioria no Senado, por indicação do MDB, o senador Renan Calheiros (AL) assume a nova função prometendo “somar esforços” à oposição para fazer frente ao governo Jair Bolsonaro no Congresso. Renan não descarta disputar o comando da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) contra o ex-presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), em plenário. A candidatura poderia reeditar a eleição de 2019, na qual o senador alagoano perdeu a presidência para Alcolumbre.

Em conversa com o GLOBO, nesta quinta-feira, Renan disse que ficou ausente do debate político nos últimos dois anos em razão da pandemia da Covid-19 e por questões de saúde, mas que agora quer trabalhar e “manter a intensidade do mandato”:

"Eu nunca fui próximo do governo. Estive um pouco ausente, primeiro por conta da pandemia, e depois porque fiz duas cirurgias, fiquei um tempo me recuperando. Eu quero trabalhar e manter a intensidade do mandato. Tenho que fazer a minha parte e somar meus esforços aos esforços existentes na oposição".

Nos últimos dias, Renan chamou atenção nos bastidores ao ajudar o líder da Rede, Randolfe Rodrigues (AP), a colher assinaturas para a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que pretende avaliar a conduta do governo federal no enfrentamento à pandemia. Para o colegiado ser instalado, no entanto, há necessidade do aval do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

"Conversei com vários senadores sobre a CPI, não sei se ajudei ou se prejudiquei. Ajudei a colocar algumas (assinaturas) e falei mal de quem retirou (o nome), que foram o Otto (Alencar) e a Rose (de Freitas)", admitiu.

Questionado se vai disputar a CCJ, Renan afirmou que esta não é a sua prioridade, mas que tem sido procurado por outros parlamentares e está disposto a “ajudar”, dependendo do cenário. De acordo com ele, o MDB deve apoiar aquele que tiver mais condições de vencer.

Você viu?

Para o senador, a possibilidade de Alcolumbre assumir o comando do colegiado é “muito ruim” e indica que ele quer ocupar a posição de “dono do Senado”. Na visão do emedebista, que comandou a Casa em quatro ocasiões, a tese da proporcionalidade deve ser respeitada. Desta forma, o maior partido, no caso o MDB, ficaria com a principal comissão.

"É muito ruim para o Senado. Primeiro, nenhum ex-presidente, ninguém deixou a presidência para concorrer à CCJ, porque as pessoas preferem desencarnar ao invés de conflitar poder, de virar uma sentinela à porta do presidente do Senado. É muito ruim para ele, para o Senado, para os partidos, porque a proporcionalidade não é só para garantir o espaço do maior, mas do menor também, é uma regra de segurança. Se você atropelar isso, desrespeitar, o que fica como referência do Parlamento? Aí você substitui a proporcionalidade e toma a posição de dono do Senado", criticou Renan.

Na quarta-feira, em suas redes sociais, Renan escreveu que a CCJ poderá ser “o estilingue nos olhos do presidente Rodrigo Pacheco”:

"A estrela de Davi Alcolumbre reluziu nos 2 anos no Senado. Para o brilho não se tornar opaco, é prudente que abdique da síndrome de Golias, do gigantismo dos filisteus. A CCJ será o estilingue nos olhos do presidente Rodrigo Pacheco, uma confrontação e divisão de poder ilógicas”, disse.

Foco de disputa atualmente, o comando da CCJ chegou a ser oferecido a Renan no final do ano passado. Na época, Alcolumbre buscava o apoio do MDB ao seu candidato à presidência do Senado, Pacheco. Os emedebistas, no entanto, optaram por lançar o nome de Simone Tebet (MS).

A poucos dias da disputa, no final de janeiro, o partido desembarcou da candidatura de Simone ao perceber que tinha poucas chances de ganhar e passou a tentar negociar cargos com os democratas, mas perdeu poder de barganha. Na ocasião, Renan criticou a decisão da sigla e disse que o MDB se rebaixou à condição de “pedinte” ao mendigar alguns “carguinhos”.

Após a eleição de Pacheco, o MDB teve que disputar no plenário a vaga de vice-presidente da Casa, prometida por Alcolumbre, contra o PSD. Como não recebeu outros cargos titulares na Mesa Diretora, alguns emedebistas avaliam que “não devem nada” ao DEM no momento e, portanto, podem agir de forma totalmente independente.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários