Estado de São Paulo utilizou 16.974 perfis genéticos do banco
National Cancer Institute / Unsplash
Estado de São Paulo utilizou 16.974 perfis genéticos do banco

O Ministério da Justiça e Segurança Pública informou hoje (11) que o Banco Nacional de Perfis Genéticos foi utilizado para auxiliar 1.977 investigações criminais em todo o país. Os casos que mais tiveram auxílio do banco genético envolvem crimes contra a vida, crimes sexuais e o crime organizado. 

De acordo com relatório semestral divulgado nesta sexta-feira, houve crescimento de 30% no uso da ferramenta em relação aos dados divulgados em maio deste ano. O estado de São Paulo utilizou 16.974 perfis genéticos do banco, seguido por Pernambuco (13.964), Goiás (7.102) e Rio Grande do Sul (6.067). 

Segundo a pasta, uma das prioridades do ministério é fortalecer a Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos, criada em 2013 para ajudar nas investigações de crimes e na identificação de pessoas desaparecidas, por meio de perfis genéticos armazenados. 

Em 2020, foram investidos mais de R$ 80 milhões em ações conjuntas com a Policia Federal (PF) e as secretarias estaduais de segurança pública. No ano passado, foram R$ 35 milhões em investimentos. 

A rede é formada por um laboratório da PF e mais 20 ligados aos governos estaduais. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários