Governo afirma que ONG não apresentou plano de trabalho detalhado
Reprodução/Twitter
Governo afirma que ONG não apresentou plano de trabalho detalhado

O governo federal não permitiu que a organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF) prestasse  assistência para prevenir e detectar casos suspeitos de Covid-19 em sete aldeias da tribo indígena Terena, no Mato Grosso do Sul, informou a organização esta quinta-feira (20). 

A MSF apresentou um plano para ajudar as sete comunidades com cerca de 5 mil habitantes, acrescentando em um comunicado que havia sido convidada a ajudar por líderes tribais .

No entanto, a Secretaria Especial de Saúde Indígena ( Sesai ), vinculada ao Ministério da Saúde,  somente autorizou seus próprios médicos a ajudar outra aldeia com mil residentes, onde disse que os casos de Covid-19 eram mais frequentes.

Em nota, a Sesai afirmou ter autorizado a MSF a atuar em aldeias do Mato Grosso do Sul com uma equipe composta por um médico, três enfermeiros e um psicólogo, mas que a proposta de trabalho enviada esta quinta-feira não especificava os locais de atendimento (aldeias ou unidades básicas), datas, recursos e meios a serem empregados.

Você viu?

Organizações de direitos indígenas reclamaram que o governo permitiu que missionários cristãos trabalhassem com tribos isoladas, apesar do risco de contágio de fora das comunidades.

A pandemia do coronavírus colocou em risco comunidades indígenas que não têm acesso a atendimento médico em partes remotas da Amazônia.

Entre os 850 mil indígenas do país, 26.433 foram infectados e 690 morreram por Covid-19, segundo a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib). Metade das 300 tribos confirmaram contaminações.

Em comunicado, a MSF disse que está ciente da necessidade de prevenir a propagação do contágio em territórios indígenas: "MSF tem protocolos rígidos de prevenção e controle da infecção que aplicou com sucesso durante seu trabalho de combate à Covid-19 em todo o mundo".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários