menina com mão no rosto
Istockphoto
Imagen ilustrativa

Em coletiva de imprensa realizada na tarde desta terça-feira (18), a Polícia Civil do Espírito Santo explicou o contexto de vulnerabilidade no qual a criança grávida após ser estuprada pelo próprio tio em São Mateus , no interior do estado, vivia.

Segundo o secretário de Segurança Pública do estado, Alexandre Ofranti, a menina vivia com a avó após a mãe morrer e o pai ser preso. “Ela é criada pela avó e pelo avô, que são pessoas muito humildes, vivem de ambulantes na praia de Piriri, na venda de coco”, explicou.

O tio que cometeu os estupros contra a garota foi preso em 2010, ano em que a menina nasceu, por tráfico de drogas, ganhando direito a uma “saidinha” no ano de 2014 e não retornando à prisão. Ele foi recuperado pela polícia em 2015 e cumpriu pena até o ano de 2018, quando recebeu alvará de soltura e passou a morar com a família da menina.

Agora, uma rede de apoio para auxiliar a família da garota financeiramente e psicologicamente foi formada, já que há possibilidade de que “O estado já está desenvolvendo uma equipe multidisciplinar que vai acompanhar e cuidar da criança”, afirmou o secretário.

    Leia tudo sobre: gravidez

    Veja Também

      Mostrar mais