alessandra strutzel
Reprodução/ Facebook
Perfil fake de blogueira era gerenciado por um homem, morador do Rio de Janeiro

Os administradores e três perfis nas redes sociais utilizados para atacar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) após o falecimento do neto de 7 anos, em 2019, foram identificados. A 7ª Vara Cível de São Bernardo do Campo descobriu que a suposta blogueira Alessandra Strutzel , que chamou de "uma boa notícia" a morte de Arthur, era na verdade um perfil fake, criado por um homem.

O caso chamou a atenção porque a Justiça paulistana descobriu que a " blogueira " não existe. O perfil em questão teria sido administrado por um morador de Campo Grande, no Rio de Janeiro, identificado como L.A.S , segundo informações do colunista Rogério Gentile, do portal UOL. A identidade do suspeito foi preservada devido ao fato dele ainda não ter se manifestado sobre o processo.

O ex-presidente Lula havia movido uma ação contra a "blogueira", cobrando uma indenização de R$ 50,3 nil. O perfil fake chegou a lançar uma "vaquinha" online para conseguir arcar com os custos do processo, em caso de condenação.

Outros dois perfis tiveram os donos localizados após usarem a morte do neto de Lula para criticar o ex-presidente. Um deles usava o perfil Hudson Du Mato e é morador de Belo Horizonte, em Minas Gerais. O petista pediu uma indenização no valor de um salário mínimo. Já Wellington Melo Castro estava escondido por trás do perfil fake cujo nome era Fernanda de Carvalho da Silva .

Ele alegou que a conta telefônica associada ao perfil foi utilizada de maneira indevida e que não seria ele quem o gerenciava. 

    Veja Também

      Mostrar mais