Paulinho Paiakan
Reprodução/Itaú Cultural
Paulinho Paiakan não passará pelo funeral dos Kayapós para impedir que o vírus se espalhe entre indígenas

O líder indígena e militante ecológico Paulinho Paiakan morreu de Covid-19 no Hospital Regional Público do Araguaia, no Pará, onde estava internado desde o último dia 9. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde Pública, Paulinho Payakan apresentava insuficiência respiratória severa. 

LEIA MAIS: Qual é o futuro da economia compartilhada pós-Covid-19?

O Distrito Sanitário Especial Indígena declara que o enterro de Paulinho Payakan não terá manuseio do corpo. É um costume da cultura Kayapó que, durante um enterro, o corpo do indígena passe por um ritual fúnebre e receba pinturas. O procedimento traria risco de contaminação para outros membros da tribo.

Em 1992, Paulinho Paiakan foi acusado de ter estuprado a estudante Sílvia Letícia da Luz Ferreira. Ele ficou preso até 1994, mas acabou solto por falta de provas. Quatro anos depois, após um recurso do Ministério Público, Payakan foi condenado a seis anos de reclusão em regime fechado. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários