Crivella
Fábio Motta / Agência O Globo
Prefeito definiu série de regras para autorizar reabertura de igrejas na cidade

Disponibilizar álcool gel 70% para os fiéis, garantir distância mínima de 2m entre frequentadores, inclusive garantindo esse espaçamento ao dispor o mobiliário, e só permitir acesso e permanência se a pessoa estiver usando máscara. Com essas regras e outras, o prefeito Marcelo Crivell a publicou ontem um decreto em edição extra no Diário Oficial incluindo igrejas e outros templos religiosos entre as atividades que não têm restrição para funcionamento na cidade.

Leia também: Crivella diz que Rio ''dominou pandemia'' e já calcula volta à normalidade

Missas, cultos e atividades externas nas igrejas deverão seguir as orientações. O decreto não proíbe a presença de idosos nem pessoas com comorbidades, mas diz que pessoas com 60 anos ou mais, que tenham diabetes, câncer e outras doenças devem “dar preferência” a cultos online.

Em sua decisão, Crivella citou o decreto que o presidente Jair Bolsonaro editou em março, incluindo as instituições religiosas entre as atividades essenciais. O prefeito também justificou a medida afirmando que “as instituições religiosas têm sofrido interferências e embaraços indevidos em seu funcionamento, praticados por ações equivocadas dos agentes públicos” e que “cabe à prefeitura a autorização para a expedição de alvarás de templos religiosos”.

No governo do estado, os decretos do governador Wilson Witzel sobre isolamento social não proibiram igrejas de forma explícita. No entanto, há o entendimento do Palácio Guanabara que aglomerações de todo tipo estão proibidas, inclusive em templos religisosos.

Leia também: Crivella confirma treinos em junho e jogos sem público em julho

Escolas ainda sem data

Em relação às escolas, ainda não há um cronograma de reabertura. Empresários chegaram a apresentar uma proposta para que reabrissem já no dia 1º, o que não vai acontecer.

A prefeitura ainda não estabeleceu quando outros setores serão reabertos. O decreto com fechamento de diversas atividades vence no próximo domingo, e a prorrogação ainda vai ser decidida pelo comitê científico. Mas o prefeito adiantou que os primeiros serviços liberados deverão ser lojas de automóveis, de venda de imóveis e academias.

As restrições começaram no último dia 12 e têm sido prorrogadas semanalmente. Nos próximos dias, a Secretaria Municipal de Saúde começa a publicar protocolos de orientação para os setores se prepararem, mas ainda não há data para a abertura.

Leia também: Polícia Federal vai à casa de Wilson Witzel, governador do Rio de Janeiro

Comitê científico é contrário

A decisão de Crivella de liberar atividades em templos religiosos vai contra o que o comitê científico, convocado pela prefeitura, havia recomendado no sábado. Dois médicos que estiveram no encontro com o prefeito afirmaram ao EXTRA que ficaram “surpresos” ao terem conhecimento do novo decreto.

O presidente do Cremerj, Sylvio Prozano, e o professor de Medicina Preventiva da UFRJ Celso Ramos explicaram que o comitê recomendou a continuidade das proibições de eventos que causam aglomerações, e o caso da igreja foi usado como exemplo.

"O anúncio me surpreende. (Tivemos um) esforço danado no sábado para evitar isso", disse Prozano. O comitê é formado por especialistas, como médicos, epidemiologistas, economistas e matemáticos, além de Crivella e integrantes da prefeitura.

Leia também: Fala de Carla Zambelli sobre PF levanta suspeita de informações privilegiadas

Celso Ramos disse que citou o exemplo de uma pequena cidade nos EUA em que, no início de maio, duas pessoas com coronavírus participaram de missa, o que acabou contagiando 35 das 92 pessoas presentes, e três morreram. Depois, outras 26 pessoas da cidade de contagiaram e mais uma veio a óbito.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários