Após a saída de Nelson Teich do Ministério da Saúde, a pressão para que médicos da rede pública prescrevam a cloroquina a pacientes infectados pelo novo coronavírus (Sars-coV-2), causador da Covid-19, aumentou exponenciamente.  

Leia também: Covid-19: Mortes em São Paulo chegam a 2.511 e casos passam de 30 mil

Com leitos de UTI se esgotando em diferentes regiões do País, médicos temem pressão para prescrever cloroquina
Divulgação
Com leitos de UTI se esgotando em diferentes regiões do País, médicos temem pressão para prescrever cloroquina

Em resposta à coerção, a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) divulgou um comunicado reafirmando a ineficácia da cloroquina diante da Covid-19 e relembrando que os profissonais não são obrigados a receitar a droga a pacientes. 

Leia também: Laboratório diz ter descoberto anticorpo contra Covid-19 e vê ações subirem 170%

Em contrapartida, centenas de médicos em todo o país vêm se unindo a favor do uso precoce da cloroquina em manifestos como o “Médicos pela Vida na Covid-19” e “Doutores de Verdade”.

Você viu?

À Folha de São Paulo , Denize Ornelas, diretora da SBMFC, disse que a “polarização política no país invadiu a esfera médica” nessa questão.

Segundo ela, a decisão da entidade pela divulgação do documento serve para tentar “blindar" os profissionais que não quiserem prescrever a droga - independente da pressão vir de profissionais da área ou do próprio paciente.

Ornelas teme, no entanto, que sem leitos de UTI e com o governo federal recomendando intensamente a cloroquina, muitos pacientes acabem exigindo o medicamento. “Em vez de ajudar, a cloroquina usada precocemente pode causar problemas que não existiam”, declara ela.

Leia também: Covid-19: Mortes em São Paulo chegam a 2.586 e casos passam de 31 mil

A SBMFC representa os médicos que atuam em 47,7 mil equipes de atenção básica no Brasil, 80% delas por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários