grupo de policiais
Agência Brasil
Polícia Federal

O Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc), do Ministério Público do Rio, em parceria com o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal realizam, nesta quinta-feira (14), mais uma etapa da operação Lava-Jato. Dessa vez, os alvos são suspeitos de integrar uma organização criminosa que desviou R$ 3,9 milhões dos cofres públicos em compras superfaturadas na área de saúde. Um dos alvos, o empresário Mário Miranda, foi preso em Angra dos Reis, na Costa Verde, informou o "Bom Dia Rio", da TV Globo. Ele é dono de empresas que têm contratos com as gestões de Sérgio Cabral e Wilson Witzel. Ele também é fornecedor do governo federal.

Ao todo foram expedidos cinco mandados de prisão e 25 de busca e apreensão. A ação foi batizada de Favorito e tem entre seus alvos o ex-deputado estadual Paulo Melo. De acordo com o MP, a organização criminosa praticou o crime de peculato, ao desviar os R$ 3,95.

Leia também: Bolsonaro pede dados à PF e delegados acreditam que intenção é atacar Moro

Os valores foram repassados a uma organização social (OS) pela Secretaria estadual de Saúde, para a administração de Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). O desvio do dinheiro foi feito por meio de pagamentos superfaturados a uma empresa responsável pelo fornecimento de alimentação às unidades de saúde.

As investigações concluíram que a organização social recebeu, desde 2012, um montante superior a R$ 763 milhões do Fundo Estadual de Saúde do Rio de Janeiro para a gestão das unidades. O ex-presidente da OS é apontado como o chefe da organização. Para montar o esquema, ele teve a ajuda de dois subordinados e dos responsáveis pela empresa fornecedora de alimentação às unidades de saúde e de outra empresa, fornecedora de insumos hospitalares.

    Veja Também

      Mostrar mais