Ministro Braga Netto, chefe da Casa Civil
Isac Nóbrega/PR
Ministro Braga Netto, chefe da Casa Civil


O General Braga Netto, chefe da Casa Civil, realizou nesta segunda-feira, 04, uma coletiva ao lado de Luiz Eduardo Ramos, ministro-chefe da Secretaria do Governo, para falar sobre ações contra a pandemia do novo coronavírus.

Braga Netto focou nas ações de distribuição de EPIs e repatriação de brasileiros. Ramos fez questionamentos à imprensa ao expressar que se divulga mais o número de mortos do que de recuperados pela Covid-19 no país.  

Covid-19: Mortes no Brasil chegam a 7,2 mil; casos confirmados são 105 mil

O chefe da Casa Civil abriu a coletiva divulgando recursos enviados ao estado do Ceará no fim de semana. Foram 4 mil unidades de álcool líquido; mais de 56 mil Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) como aventais, luvas, máscaras n95, máscaras cirúrgicas, toucas e protetores faciais; 30 ventiladores pulmonares; e 20.710 testes rápidos.

O estado do Amazonas recebeu 31 toneladas de álcool em gel e 200 cilindros de oxigênio, que foram transportadas por aeronaves da Força Aérea. A coordenação da entrega foi feita pelo ministério da Defesa e pelo Centro de Operações.

Braga Netto também informou que 339 brasileiros foram repatriados do Reino Unido, Nova Zelândia e dos Emirados Árabes. “Mais de 20 mil brasileiros foram repatriados dentro da premissa de que ninguém ficará para trás”, afirmou.

Divulgação de número de recuperados

Em sua fala, Ramos criticou a imprensa e pediu para que não apenas o número de mortes fossem divulgados, mas também os pacientes curados ou fora de riscos.

No Placar da Vida, que foi exibido na coletiva, o Brasil contava com 42.991 pacientes curados e 51.131 com grande potencial de serem curados. Ao todo, seriam 94.122 pessoas foras de risco. “Divulgar o número de morte faz parte, mas a imprensa só divulga caixão, cova e corpo”, disse. “Temos que dar um pouco de esperança à população”.

Ramos disse ainda que vê “parcialidade” na maneira de informar da imprensa. Ele afirmou que é preciso dizer que a doença é grave e orientar sobre cuidados a serem tomados, mas trazer tranquilidade aos cidadãos.

Questionados sobre como informar sem tirar o destaque dos números, Braga Netto e Ramos disseram que não se deve esconder os número, mas não trazer apavorar a população. “Não é um apocalipse, não é o fim do mundo”, disse Ramos.

Manifestações no fim de semana

Braga Netto se esquivou de pergunta sobre aglomerações e possível aumento de transmissões caso sejam encorajadas, referência às manifestações antidemocráticas que aconteceram no fim de semana. “Pergunte isso aí para o ministro da Saúde”, disse. Ele ainda afirmou que “as pessoas têm liberdade de fazer o que quiserem, desde que não haja ameaça à saúde do outro”.

Agressão a jornalistas é "inadmissível"

Ao ser questionado sobre nota emitida hoje pelas Forças Aéreas contra ataques a jornalistas durante manifestações, Braga Netto disse que “a liberdade de expressão é requisito fundamental”. “Qualquer tipo de agressão a jornalistas tem que ser apurada. É inadmissível”.

Ele afirmou ainda que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) teria se mostrado “aborrecido” quanto às agressões. “Ele não controla esse pessoal todo, isso aí precisa ser apurado minuciosamente”, finalizou Braga Netto.

    Veja Também

      Mostrar mais