O secretário municipal de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, é categórico quanto à flexibilização da quarentena na cidade. Ao jornal O Globo , na última quarta-feira (29), ele afirmou que não haverá afrouxamento da medida a partir de 10 de maio, muito pelo contrário, ela pode ser intensificada.

Leia também: Nova aposta: hospitais dos EUA testam eficácia de antiácido contra Covid-19

Covid-19
Pixabay/soumen82hazra
Covid-19

"Os números de Covid-19 hoje não permitem anunciar qualquer perspectiva de relaxamento da quarentena . Em 56 dias, até 23 de abril, tivemos 45.518 casos da doença na cidade, média de 812 por dia. [Tudo isso] com a rede hospitalar municipal registrando 74% de ocupação", argumentou o secretário municipal Edson Aparecido.

Leia também: Quando a Covid-19 vai acabar? plataforma aponta previsões sobre fim da pandemia

"O prefeito tem colocado que talvez a gente tenha que intensificar essas medidas. Se continuar o nível de circulação do vírus, o que vai acontecer é que o pico da doença que se previa para o fim de maio e início de junho acabe se antecipando. Isso não é bom porque ainda estamos recebendo respiradores e contratando profissionais de saúde", completou o Edson.

No Rio de Janeiro, o governo também prevê que as medidas de isolamento devem ficar mais rígidas em breve. Preocupado com a curva do novo coronavírus (Sars-coV-2), o secretário estadual de de Saúde Edmar Santos disse, em entrevista ao "RJTV", que o estado pode adotar medidas ainda mais intensas de isolamento, como o chamado  lockdown  – um bloqueio total.

Leia também: Brasil estaria achatando a curva de contágio da Covid-19, diz especialista

"Caso a curva de casos e mortes de Covid-19 continue subindo de maneira descontrolada e a população siga desrespeitando a quarentena, o bloqueio é uma alternativa", disse ele.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários