respiradores
Reprodução Twitter
respiradores

A cidade de Rondonópolis, no Mato Grosso, recebeu 22 respiradores falsos após uma compra que buscava amenizar os danos causados pela pandemia de Covid-19 no município. Os aparelhos, que custaram R$ 4 milhões à cidade, deveriam ser usados na Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

Quando os respiradores foram entregues ao pronto-socorro, porém, os médicos da unidade constataram a fraude. A ocorrência foi registrada na quarta-feira (22) pela secretraria de Saúde do Município, e segue sob investigação da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos.

Leia mais: Isolamento social no estado de São Paulo fica abaixo de 50%

Segundo a prefeitura de Rondonóopolis, 70% dos recursos investidos já foram recuperados. Já os aparelhos falsifiados seguem confiscados. Ainda de acordo com a prefeitura, o contrato exigia que o pagamento fosse feito apenas após a entrega dos equipamentos, mas - como a aparência dos ítens falsificados era muito semelhante à de respiradores originais - o depósito chegou a ser feito.

A empresa que vendeu os equipamentos, com sede em Palmas (TO), teria pedido um prazo para a entrega dos produtos originais após a denúncia. O acordo, porém, foi rejeitado pelo presidente de Rondonópolis, José Carlos do Pátio.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários