quarentena
Ana Branco / Agência O Globo
Edifício em Copacabana com moradores em quarentena

Uma pesquisa que submeteu 1.460 brasileiros a uma triagem psicológica online sugere que a incidência de sintomas de depressão, ansiedade e estresse pode ter dobrado da primeira para a quarta semana de quarentena pela  Covid-19 .

Leia também: "Meu compromisso é o trabalho técnico", diz novo ministro da Justiça

"Enquanto no primeiro estudo a prevalência girava em torno de 4% a 5% para sintomas de depressão e ansiedade, no segundo estudo cresceu para algo de 7% a 8%", disse o psicólogo ao jornal O Globo. 

Uma versão preliminar da pesquisa, ainda sem revisão independente, já mostra o recorte da população que está mais vulnerável.

Leia mais: PSOL pede cassação de Carla Zambelli por oferecer vaga no STF a Moro

Os três grupos destacados por Filgueiras e por seu coautor, Matthew Stults-Kolehmainen, são as pessoas que vivem com idosos durante a quarentena, os portadores de doenças que configuram fatores de risco para a Covid-19 e os trabalhadores que não podem ficar em confinamento.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários