Agência Brasil

estrada de terra no meio da floresta arrow-options
Marcelo Camargo / Agência Brasil
Suspeitos são dois indígenas que viviam na mesma terra que a vítima

Policiais federais prenderam, em caráter preventivo, dois suspeitos de assassinar o professor e coordenador-regional da Comissão de Caciques e Lideranças da Terra Indígena Arariboia (Cocalitia), Zezico Rodrigues Guajajara . A identidade eles não foi divulgada.

Leia também: Rede lança campanha para denunciar violações de direitos em São Paulo

Militante da luta contra a invasão e a extração ilegal de madeira da reserva indígena, localizada no Maranhão, Zezico foi morto a tiros no dia 31 de março.

Segundo a PF, os suspeitos são dois indígenas que viviam na mesma terra que Zezico - um deles, na mesma aldeia que o professor, a Zutíua, no município de Arame (MA), a cerca de 270 quilômetros de Imperatriz. O cacique da aldeia, no entanto, afirma que um deles não é indígena, mas vive na reserva por ser casado com uma índia.

Segundo a PF, enquanto cumpriam os mandados de busca e apreensão expedidos pela 2ª Vara da Justiça Federal em São Luís, os policiais não encontraram os dois, que se apresentaram posteriormente na delegacia da PF em Imperatriz , acompanhados por um advogado.

Após serem interrogados, os dois foram encaminhados ao sistema prisional . Eles foram indiciados por homicídio e, se forem considerados culpados, podem ser condenados a penas que variam de seis a 20 anos de prisão. A PF informou que, durante a investigação, encontrou evidências da participação dos indígenas no assassinato.

Apenas um dia após Zezico ser emboscado, a cerca de três quilômetros da aldeia Zutiua, quando retornava da cidade de Grajaú, o cacique Paulino Rodrigues Guajajara disse à Agência Brasil que a comunidade indígena suspeitava que o professor tinha sido morto por outro índio da própria região; alguém que, segundo ele, tinha “raiva” e “inveja” da liderança do professor.

Leia também: Cobra de três metros bloqueia estrada no Paraná; assista

Cunhados

O cacique disse nesta quinta (23) que os assassinos são cunhados. Ele ressaltou que, embora um deles viva na Terra Indígena Arariboia, casado com uma indía, ele não é indígena. De acordo com Paulino Guajajara, o "não-índio induziu" o indígena a matar Zezico. O crime, segundo Paulino Guajajara, agravou a tensão na região. “A gente está com medo e pedindo segurança para a aldeia porque as coisas aqui estão tão tensas que não conseguimos mais fazer as coisas do dia a dia.”

Segundo o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Zezico foi o quinto membro da etnia guajajara assassinado na região desde meados de novembro de 2019. Entre eles está o líder Paulo Paulino Guajajara, integrante do grupo Guardiões da Floresta, formado pelos próprios indígenas para monitorar e defender seus territórios. Paulino também foi morto a tiros, em novembro.

    Veja Também

      Mostrar mais