Primeira
Alexandre Cassiano / Agência O Globo
Primeira "Pia do Bem" foi instalada na Avenida Presidente Vargas, no Centro do Rio. Na foto, pessoas em situação de rua fazem pintura na estrutura

Para reforçar o combate ao novo coronavírus, a engenheira Ana Paula Rios decidiu criar o projeto "Pia do Bem" que com a ajuda de voluntários e parceiros e instalou mais de cem pias portáteis em diversos pontos do Rio de Janeiro. A iniciativa visa auxiliar a população em situação de rua e trabalhadores que muitas vezes não têm como higienizar as mãos com frequência, principal recomendação para evitar a  Covid-19 .

Leia também: Polícia Militar tem mais uma morte suspeita de Covid-19 e 300 afastados no Rio

A primeira pia foi instalada no último dia 7, na Avenida Presidente Vargas, no Centro do Rio, em parceria com o Sindicato dos Servidores das Justiças Federais (Sisejufe). A iniciativa chamou a atenção do jogador Marcelo, carioca que atua como lateral no Real Madrid e o atleta custeou a produção e instalação de outras cem unidades. Já há pias em locais como o Leme, na Zona Sul, na Feira de Tradição Nordestinas, em São Cristóvão, na Zona Norte, e nas proximidades do Hospital Souza Aguiar, no Centro.

A pia é montada com madeirite, baldes e canos PVC. Há dois módulos na estrutura onde fica um balde com água limpa e outro onde é armazenada a água já utilizada. Os demais insumos necessários à higienização, como sabonetes e toalhas de papel, são doados por outros parceiros da inciativa.

Segundo Ana Paula, se for abastecida em média duas vezes ao dia, a pia pode gerar 4.500 lavagens por mês. O custo mensal é de seis centavos por lavagem, e não há prazo determinado para a retirada da estrutura. A população do Rio também pode e deve ajudar. É possível abastecer as pias levando água em garrafas pet, por exemplo.

Você viu?

"O que mais ouvimos neste momento é a recomendação de lavar as mãos, mas quando colocamos essa frase no contexto da população de rua ela não se encaixa, não há como fazerem a higienização . Foi pensando nisso que desenvolvemos esse modelo de pia itinerante, carinhosamente nomeada de "pia do bem". A pia foi elaborada em sete dias, pensando nas pessoas em situação de rua, mas acreditamos que deve atender a outros públicos que também precisam estar na rua, como garis e motoristas de ônibus, por exemplo", disse Ana em uma rede social.

Ana Paula também é idealizadora de outros dois projetos que visam atender à população de rua. O "Banho da Alegria", que leva um chuveiro itinerante para a população de rua e o "Da Rua para Você" que promove capacitação para essas pessoas.

Nesta segunda, mais uma pia começou a funcionar em frente à sede da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro (DPRJ) na Avenida Marechal Câmara 314, também no Centro do Rio. A instituição se comprometeu a abastecer regularmente o reservatório de 13,6 litros de água instalado na calçada.

Leia também: Multas, testes em massa e apoio da população: pontos que permitem Alemanha a iniciar sua reabertura

"Participar da concretização deste projeto é primeiro um ato de humanidade e, depois, uma resposta positiva da instituição, que sempre se preocupou com a vulnerabilidade da população em situação de rua, especialmente neste momento de pandemia. Uma ação que possibilitará a quem está na rua o acesso à higiene tão necessária para a prevenção da doença", destaca a secretária de Engenharia da DPRJ, Luciene Torres Pereira.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários