Ministro cumpriu hoje sua primeira agenda pública como chefe da Saúde
Reprodução
Ministro cumpriu hoje sua primeira agenda pública como chefe da Saúde



Uma das alternativas pensadas pelo governo brasileiro para conter a pandemia causada pela Covid-19 é a testagem em massa da população. No entanto, a iniciativa, por si só, não garante que o país vai deixar de apresentar esse quadro rapidamente, segundo disse o novo ministro da Saúde, Nelson Teich, neste domingo (19).

Por outro lado, Teich declarou que os testes permanecem sendo importantes , uma vez que ajudam a entender a evolução da doença e, a partir do diagnóstico, oferecer elementos para que sejam desenvolvidas políticas públicas para fazer frente ao coronavírus.

Sucessor de Luiz Henrique Mandetta, demitido pelo presidente Jair Bolsonaro após discussões públicas e defender diuturnamente o isolamento social, Nelson Teich cumpriu, neste domingo (19), a sua primeira agenda pública à frente da Saúde. Ele participou de uma videoconferência com autoridades de saúde do G-20.

Você viu?

Na reunião, que também teve a participação do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, Teich disse ter respostas , entre outros pontos, para a importância da preparação do país para enfrentar a pandemia e da valorização dos serviços médicos e de saúde.

Após uma rodada de debates, Teich gravou um vídeo sobre a testagem em massa de brasileiros. "Testes em massa, não é que a gente vai conseguir testar todo mundo. O simples fato de você fazer testes também não é isso que vai garantir de que a gente vai sair [mais cedo da pandemia]. É a política que você desenha e as ações que você desenha com essa informação que vão definir o quanto e como a gente vai definir como a gente vai seguir e sair desse problema", disse.

"A utilização de testes nos ajudará a entender melhor a doença e a sua evolução. E, com esta informação, vamos poder preparar melhor o enfrentamento a este problema e como sair dele. Essa capacidade de entender a doença é fundamental. A gente não sabe quanto tempo a gente vai levar para obtermos uma vacina que nos ajude a sair desta situação de uma forma mais simples, a gente não sabe o tempo que isso vai levar, e isso nos obriga realmente a entender o que está acontecendo para que a gente consiga desenhar as políticas e ações que vão nos ajudar a passar por isso da forma mais rápida", disse ele.

Ainda na videoconferência com o G-20, o ministro  defendeu a importância de órgãos como a OMS, e disse que "claramente órgãos como a OMS são muito importante poque eles ajudam a estruturar operações e avaliações no mundo inteiro".

"É muito importante que a gente consiga mensurar o que está sendo levado de benefício para esses países [ajudados pela OMS] para que a gente consiga melhorar cada vez mais o impacto da OMS no tratamento e na abordagem dos problemas, principalmente em pandemias como essa. No nosso tratamento do Brasil, a gente sabe que tem sempre um trabalho tripartite, a gente tem todo mundo trabalhando junto", acrescentou Teich.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários