indígenas
Divulgação / Chico Batata / Todos os Olhos na Amazônia
Trator e caminhão foram flagrados carregando madeira retirada ilegalmente da TI Karipuna em 2019

Durante a pandemia do novo coronavírus, a Covid-19, aldeias indígenas têm sofrido ataques e ficado vulnerável à contaminação. Em uma nota conjunta, a Associação do Povo Indígena Karipuna (Apoika) o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e o Greenpeace Brasil alertam que há um risco iminente de genocídio da população Karipuna, de Rondônia.

Leia mais: Publicitário de Bolsonaro diz que governo era refém de Mandetta

No dia 1º de abril, indígenas Karipuna viram quatro pessoas limpando uma área de reserva florestal a menos de dez quilômetros da Aldeia Panorama , onde o grupo de indígenas vive no momento em isolamento contra o Covid-19. Dois dias antes, em 30 de abril, era possível ouvir ruídos de máquinas e motoserras próxima a região.

"O risco de um iminente e fatal genocídio do povo ressurge agora de modo ainda mais preocupante, seja em função de um potencial ataque dos invasores, seja devido à possibilidade desses invasores contaminarem os Karipuna com o coronavírus ", diz a nota assinada em conjunto pela Apoika, Cimi e Greenpeace.

Tortura no Mato Grosso do Sul

Em novembro de 2019, a Reserva Indígena de Dourados, no Mato Grosso do Sul, foi alvo de ataques. As áreas de Ñu Vera Guasu e Aratikuty sofreram com a destruição de barracas e agressões na manhã do dia 5 de abri. A retomada Avae'te foi atacada a tiros.

Os Guarani e Kaiowá informaram que em outubro fe 2019, um jovem indígena de 21 anos foi baleado, mantido refém e torturado por seguranças privados.

“Disseram que ele ameaçou os pistoleiros, mas ele foi atacado primeiro. Amarraram ele na caixa d’água, na nossa frente, e ficavam batendo nele. Diziam: ‘vem pegar o amigo de vocês’, e batiam nele. Ele tremia e gritava. Quando vimos, ele estava desmaiado”, relatou uma Guarani Kaiowá.

Outro Guarani Kaiowá que presenciou a cena afirma que, antes de ser carregado, o indígena também teria sido agredido com a pá do trator blindado.

“Quando ele tava no chão, os jagunços prensaram ele com a pá do trator. Depois, jogaram ele no caveirão e levaram embora”, disse.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários